Quero me matar, acho que preciso de ajuda!

Esse foi meu pensamento quatro anos atrás quando resolvi procurar um psiquiatra. Eu estava me sentindo vazia, sentindo que a vida não fazia mais nenhum sentido, como se um buraco estivesse aumentando cada dia mais dentro de mim.

Sentia desespero até quase não conseguir respirar direito, todos os dias eu lamentava por ter acordado e durante o resto do tempo só queria que o dia terminasse para poder enfim dormir de novo, já que era o único momento em que não me sentia sufocada.

Até aquele momento eu não sabia que aquilo era depressão, sempre que conversava com as pessoas elas diziam que eu era preguiçosa, que não tinha determinação, que faltava um homem na minha vida e até mesmo que eu estava fazendo tudo aquilo só para chamar a atenção.

Não via mais meus amigos e quando saía com algum deles (muitas vezes obrigada) sempre ouvia um “pra sair com ele você tem vontade”, de algum outro amigo. Ninguém via o meu esforço, eu não queria mais nem ao menos tomar banho, eu só queria ficar trancada no meu quarto, deitada na minha cama, comendo e assistindo qualquer coisa que me tirasse da realidade por algumas horas.

Ouvir críticas e cobranças de pessoas que eu amava foram me fazendo ficar cada vez pior, trabalhar em um lugar que pregava a competição como forma de crescimento me ajudaram no isolamento e na falta de perspectiva que eu adquiri.

Até chegar um dia em que voltando para casa eu fiquei olhando fixamente o trilho do metrô, sentindo um vazio extremo, aquela solidão mesmo com meu celular cheio de mensagens…

Eu não queria morrer! Só queria acabar com a dor, fazer minha cabeça parar de me torturar, queria não me sentir mais tão miserável…queria não sentir nada.

Foi então que percebi que eu precisava de ajuda.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Mima Verde’s story.