Mais pulgas que orelhas: o que nós sabemos sobre nosso sistema político?

Na última semana a Câmara Municipal começou com a retirada do regime de urgência, e pedido de vistas pelo líder de governo, do Projeto de Lei 213/2017 Escola Sem Partido, você sabe o que isso significa?

Se a sua resposta foi ‘não’, isso significa que estamos participando de um jogo sem termos conhecimento suficiente de suas regras e dinâmicas, enquanto outros não só as conhecem como as criam. É desta disparidade entre os participantes que resulta, em parte, a baixa participação social nas decisões políticas. Mesmo que você tenha respondido ‘sim’, deve concordar que entender todos esses termos, suas regras e mecanismos não é uma tarefa das mais simples para a maioria da população.

Como então aproximar dos cidadãos e cidadãs este universo de regras e performances, responsável pelas decisões que afetam a vida de todos na cidade? É partindo desta questão que nós da Minha Campinas — para além das campanhas de mobilizações — desenvolvemos formações políticas buscando diferentes linguagens para diferentes contextos. E se estamos falando de regras porque não fazer isso jogando?

Na última semana (12/9) tivemos, aqui na nossa sede, uma noite de jogatina do Jogo da Política na qual membros da nossa rede viraram prefeitas e prefeitos por algumas horas. Ao serem colocados no poder Executivo, as e os participantes discutiram prioridades e planos de governo, compararam escolhas e refletiram sobre a complexidade da função, comparando com a atualidade. As discussões passaram por momentos acalorados com ótimas frases — que foram parar no nosso Twitter — além de levantarem diversos questionamentos em relação ao próprio sistema e à administração atual.

O Jogo da Política* é um desdobramento da pesquisa Sonho Brasileiro da Política que, ao identificar que 65% dos jovens têm interesse na política e acham que o lugar de aprender é na escola, se uniu ao LabHacker e a Énóis para desenvolvê-lo entre 2015 e 2017. Fizeram seu lançamento na Câmara Municipal de São Paulo em junho deste ano.

A dinâmica do jogo envolve sobretudo as provocações colocadas pelo facilitador, às quais mesmo quem já tem uma ligação com o mundo da política acaba se sentindo instigado. Este é, justamente, um dos pontos fortes do jogo. O desafio proposto gera sentimentos e sensações que são convertidos em reflexões, suscitando um interesse inicial e uma curiosidade sobre diversos pontos.

No balanço final, saímos sempre com mais perguntas do que respostas, mas com uma certeza em comum: ainda temos muito a aprender.

Vamos fazer isso juntos?

Os materiais dos jogos estão todos disponíveis no site: www.jogodapolitica.org.br

Você também pode acompanhar a gente para saber quando vai rolar a próxima jogatina por aqui ou falar com a gente para propormos uma formação política para você.

Dominique Gogolevsky, midiáloga e coordenadora de rede da Minha Campinas. [dominique@minhacampinas.org.br]

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.