Eu gostaria.

Landform II, Alexandra Lavasseur

Achei incrível a ideia dessa rede social, onde você pode escrever e compartilhar textos e reflexões, sem um limite de caracteres e com um filtro sensacional de informações.

Gostaria de poder compartilhar mais sobre determinados assuntos dos quais me interesso, porém, percebi um notável bloqueio na hora de relacionar as palavras sabendo que outras pessoas lerão minha opinião.

Talvez seja uma questão de me acostumar com a ideia do Medium, e por isso gostaria de falar um pouco sobre mim nessa primeira publicação.

Nascida em 1999, vivo no litoral sul do estado de São Paulo, em uma cidade calma e extremamente poética que é Itanhaém. Recentemente tive minhas crises da adolescência de futura carreira, mas com muito prazer e ausência dos conceitos de certo, errado e definido, estou optando pela graduação em História da Arte. Pois a arte e seu estudo engloba em larga escala meus maiores gostos e minha predisposição. Sofro preconceito por parte da família pela escolha, mas estou assegurando minha intenção com muito estudo na área e envolvimento com o meio.

Gosto de ler, especialmente distopias que alimentam minhas questões filosóficas e sociológicas, tais como Admirável Mundo Novo e 1984, e também romances complexos como Orgulho e Preconceito.

Meu gosto musical é altamente diversificado, se encaixando em diversos momentos. Sou amante de Dvorák até Chapeleiro.

Amo admirar a natureza, as cores do céu, o mar, e de refletir e produzir pensamentos a partir do que observo.

Assim, também amo observar as relações entre as pessoas, o afeto, as escolhas das pessoas. E sou feliz por ser agraciada pela empatia e alteridade que possuo ao estar em contato com a história alguém, ou de um coletivo.

Sem demais informações para escrever no momento, digo que gosto da provável interação que terei nessa rede social.

Au revoir.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.