O que os vegetarianos não te contam
Junior Oliveira
83

Meu amor, que texto incrível, honesto e inspirador! Tenho algumas ressalvas, mas acredito que você tenha muita maturidade pra saber interpretá-las da melhor maneira possível.

Quando falamos sobre vegetarianismo/veganismo, é importante sabermos diferenciar o que é um estilo de vida e uma dieta, parece besteira mas não é. O vegetarianismo vai muito além até mesmo da saúde pra muitos adeptos, a melhora da saúde acaba por ser uma consequência (tudo gera consequências), e que consequência maravilhosa. Quando falamos sobre “comer vida” e não morte, é importante levar em conta que todo o processo que levou aquele alimento até o seu prato, foi feito da maneira mais justa possível, sem dor, sem sofrimento, portanto, com boas energias, com amor, e isso reflete NATURALMENTE na nossa saúde, no nosso comportamento, nas nossas condutas. Isso não significa que pessoas vegetarianas são “perfeitas” e nem que carnistas (e não carnívoros, pois não somos) sejam más pessoas. Tá todo mundo aprendendo, e essa cultura engloba muito mais do que o amigo que tá do seu lado comendo espetinho. A carne na mesa do ser humano tem um valor muito grande, e a falta desse item na mesa de MUITOS brasileiros (bora falar do Brésil né) é verdadeiramente triste, porque querendo ou não, vivemos em um sistema que relaciona a carne (principalmente a carne) à uma certa ascensão social da classe pobre. Quando falamos sobre desigualdade e capitalismo, é importante que se leve a realidade em conta e que se entenda pelo menos o básico da indústria agropecuária e quais são as suas principais finalidades. A Dona Maria só tem dinheiro pra comprar a salsicha mais barata do Guanabara (parafraseando nossa amiga Thais), só pode comprar da margarina mais barata, do leite mais barato, porque se não, simplesmente não vive. O trabalho é de formiguinha mesmo, e quando UMA pessoa se torna vegetariana, ela já faz a diferença. O vegetarianismo pode partir de qualquer pessoa, mas me reconhecendo privilegiada por sempre ter tido carnes de qualidade na mesa, penso que estou apta a dedicar a minha vida também ao vegetarianismo e inspirar pessoas que assim como eu, reconhecem os próprios privilégios e se permitem abrir mão de caprichos como o ato de comer carne.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Mirna Dalponte’s story.