Existe vida além do silicone?

Odeio restaurantes com TV, mas, se não estivesse em um ontem (o Bukara, que serve pratos do Leste Europeu e merece um post só pra ele depois), dificilmente teria descoberto a existência de Sin Tetas Sí Hay Paraíso (doravante chamada STSHP), a telenovela de título mais enigmático que já vi.

Sério, me deu um nó na cabeça: é uma novela sobre câncer de mama? Sobre transexualidade? Quem vai me explicar? O Google, claro. STSHP é uma coprodução Colômbia/EUA exibida pela Caracol e serve de sequência a Sin Tetas No Hay Paraíso. Ambos os livros, extremamente populares na América Latina e na Espanha, são de autoria de Gustavo Bolívar Moreno (leia aqui uma entrevista interessante com ele).

A história é rocambolesca demais para eu resumir em um mísero post escrito às pressas (veja esta página, é mais completa), mas tem como fio condutor as cirurgias para colocação de silicone, algo extremamente popular na Colômbia, em especial porque muitas já foram financiadas pelos narcotraficantes (as beneficiárias das tetas, no caso, são meninas de baixa renda que tentam se ajustar aos padrões de beleza locais).

No primeiro livro, a protagonista faz a cirurgia porque quer ficar mais bonita para os meninos e se dá muuuuuuito mal. Na sequência, sua irmã caçula prova ser um pouco mais bem resolvida e diz não à modinha.

O autor de ambos os livros contou, na entrevista a que me refiro acima, que escreveu as histórias pensando em sua filha. Hoje ele recebe milhares de mensagens de meninas de todo o mundo hispanohablante agradecendo porque assim desistiram de fazer uma cirurgia delicada e impulsionada por um motivo fútil.

Nada contra quem faz, mas se recuperar de uma colocação de silicone me parece algo tão enjoado que… sempre vou achar mais sábio que a mulher aprenda a ser feliz com os peitos que tem.