cid 60.2

todos os meus relacionamentos parecem um jogo de campo minado. eu não sei onde eu devo pisar pro jogo continuar acontecendo. estou sempre a um passo errado de fazer as coisas explodirem em mim. quando eu era criança eu jogava campo minado no computador do meu pai, eu sempre colocava na dificuldade fácil. quando eu era criança meus pais me faziam jogar campo minado em nosso relacionamento, e eles sempre colocavam na dificuldade máxima. minha mãe gostava muito de jogar comigo. eu falava uma frase e depois outra e então mais uma. uma delas sempre acabava com nosso jogo. ela ficavam frustrada e me perguntava porque eu não conseguia ver que ela estavam sofrendo, que ela existia. eu acho que eu era só nova demais para saber o que era sofrer e o que era existir. ainda assim eu me sentia mal por não entender seu sofrimento e sua existência. esse era o game over. e então o jogo começava de novo e de novo. nem sempre eu queria jogar, mas eu nunca tive escolha. com meu pai, eu sabia que a melhor forma de perder era ser eu e ter sentimentos. meu pai me ensinou que todos os movimentos errados provém de sentimentos. pra ele, todos os sentimentos eram errados. quando eu gritei num filme de terror, ele me repreendeu por ficar com medo de algo tão ridículo. quando eu corri em direção dele no natal para lhe dar um abraço, ele não me abraçou de volta. hoje em dia eu não grito em filmes de terror, mesmo quando estou com medo. e não abraço pessoas com medo de não ser abraçada de volta.