Dinheiro público não é confete

É importante colocar alguns pingos nos “is” sobre a questão do corte de verba para as escolas de samba

1- O corte foi apenas as escolas de samba, a estrutura pública de apoio dentro do carnaval continua como acontece com qualquer outro evento de grande porte, apenas ouve uma diminuição da verba direcionada as agremiações.

2- Eventos como o desfile das escolas de samba tem capacidade de gerar recursos sem necessidade de emprego direto de dinheiro público, são entradas como ingressos, patrocínio, direitos de transmissão de TV, ingressos para ensaios e apresentações ao longo do ano e outras entradas secundárias que juntos arrecadam bem mais do que os dois milhões dados a cada escola pela prefeitura.

3- Fora isso existe uma grande polêmica histórica sobre a necessidade de maior transparência financeira nas escolas.

4- O momento realmente é de grande dificuldade. Cortes de verba tem acontecido em diversas áreas da administração pública, algumas de maior importância como saúde e educação, portando embora cause transtorno será necessário definir prioridades.

5- O carnaval trás retorno financeiro? Sim! Ano passado o evento injetou algo em torno de 3 bilhões de reais aos cofres públicos e exatamente por isso a lógica deveria ser outra, é necessário utilizar mais o potencial de atração de recursos da iniciativa privada que esse evento pode agregar, assim teremos mais entradas e menos saídas de dinheiro público, isso ajudaria demais a cidade.*

6- A cultura da dependência do dinheiro público é um problema recorrente no Brasil.

7- Vale a pena lembrar que enquanto as escolas de samba estão se queixando de uma diminuição de verba de 2 milhões por ano para 1 Milhão, os artistas do teatro municipal continuam passando por sérios problemas

8- No ano passado cada escola teve acesso a entradas em torno de 7 milhões de reais, a prefeitura só deixaria de entrar com um milhão dentro do montante. Cabe uma pergunta, é impossível fazer um desfile com apenas menos aproximadamente 14 a 15 por cento das entradas?*

9- Outros eventos de grande porte também poderiam utilizar cada vez menos dinheiro público, assim ajudando no momento difícil que nosso país passa.

10- Fico com a impressão mais uma vez de que o fato de Crivella ser pastor faz com que as acusações sejam ainda mais pesadas sobre ele, como se isso fosse uma escolha baseada nos seus credos pessoais, uma crítica bem preconceituosa. É importante se ater ao debate na esfera pública.

*Segundo dados apresentados pela reportagem do SBT

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Moisés Corrêa’s story.