Entrevista com Riccardo “fluffypony” Spagni, líder da equipe Monero: soluções de segunda camada, o mercado de taxas e a educação sobre criptomoedas

Tradução para o Português do Brasil da entrevista realizada por Conor O’Higgins da Crypto Insider

Fonte e vídeo da entrevista disponíveis em: https://cryptoinsider.21mil.com/interview-with-monero-lead-developer-riccardo-spagni-fluffypony-second-layer-solutions-fee-market-cryptocurrency-education/


Essa entrevista aborda a importância da existência de um mercado de taxas na chain principal, assim como a inclusão de uma segunda camada para a escalabilidade e a realização de experimentos em geral. Riccardo, também conhecido como fluffypony, também comenta sobre as últimas novidades do Monero, incluindo a implementação da funcionalidade multisig e as ferramentas que podem ser construídas com ela. Por fim, discute-se a importância da educação sobre criptomoedas para catalisar a adoção em 2018.

Conor O’Higgins (C): Bem-vindo! Hoje irei conversar com fluffypony, que é Diretor de Malandragem no Instituto de Estudos sobre Limonadas. Há mais alguma coisa que você gostaria que meus espectadores ficassem sabendo?

Riccardo Spagni (R): Sim… [rindo] Eu também sou o mantenedor líder do Monero e faço algumas outras coisas engraçadas… Eu trollo bastante no Twitter e eu tenho uma gateway de pagamentos chamada GloBee.

C: OK, legal. Há cerca de uma semana eu saí com uma amiga minha e ela me disse que vai fazer uma tatuagem com o símbolo do Monero.

R: [risadas] Por quê?

C: Ela é fã! O Monero é interessante porque culturalmente ele é bastante diferente de outros projetos de criptomoeda. A comunidade Monero ainda mantém aquele idealismo cypherpunk das antigas. Uma grande parte das criptomoedas acabaram virando esquemas que prometem enriquecimento rápido, e eu sinto que o Monero ainda mantém seus valores originais.

R: Sim, é complicado. Eu acho que uma grande parte da comunidade age dessa maneira. Mas eu vejo que muitos usuários nem tão novatos também estão pressionando por taxas mais baixas. Outro dia eu vi até uma pessoa ameaçando bifurcar o Monero se os “desenvolvedores não baixassem as taxas”.

Então, apesar de uma grande parte da comunidade ainda ser bastante cypherpunk e compreender os aspectos técnicos da moeda, definitivamente existem pessoas que têm dificuldade em entender. Elas querem coisas mágicas, como uma chain principal com taxas baixas e escalabilidade. São coisas que o Monero simplesmente não é capaz de fornecer.

C: Por que ele não é capaz?

R: Não é possível haver uma chain principal com escalabilidade extrema e que ao mesmo tempo oferece taxas ridiculamente baixas. Eu enxergo isso da seguinte maneira: obviamente existe um equilíbrio, você tem taxas baixas que são aceitáveis — o que as pessoas estão pagando é pelo armazenamento de dados em milhares de computadores ao redor do mundo. Isso tudo tem um custo. E quanto mais baixas forem as taxas, mais as pessoas irão usar a moeda como uma forma barata de armazenamento distribuído — e ninguém quer que uma moeda digital acabe se tornando um mecanismo de armazenamento.

C: Na sua entrevista para o canal Bitcoin Uncensored, você comentou sobre construir coisas sobre a camada de base — ou seja, manter a blockchain principal do Monero intocada e construir soluções de segunda camada no topo dela. Você ainda está trabalhando com isso?

R: Sim, definitivamente. Nós já refletimos muito sobre como abordar essas questões no Monero. Isso não é uma tarefa fácil, pois de um lado nós temos pessoas exigindo coisas, funções, etc., e do outro lado nós temos vários desenvolvedores que trabalham para o Monero principalmente por razões ideológicas — por que eles deveriam dar atenção para o que um cara qualquer da comunidade pensa? Eles irão trabalhar nas coisas em que eles querem trabalhar, e não nas coisas que alguém fica exigindo deles.

Em função disso, a melhor maneira de dar para as pessoas aquilo que elas querem, seja uma escalabilidade mágica ou qualquer outra coisa, é mover as coisas para fora da chain principal, a fim de manter a sua santidade absoluta. A chain principal do Monero deve ser o mais descentralizada quanto possível. Eu não acho que ela deveria ser o mais cara quanto possível, mas ela deve ter um custo aceitável para se armazenar dados nela. Não devemos bloquear o acesso das pessoas à chain principal, mas também não devemos encorajá-las a usá-la como um mecanismo de armazenamento. E todas as outras funcionalidades devem ser feitas off-chain.

Se você quer experimentar novos modelos de governança, faça isso em uma camada secundária, fora da chain principal. Uma camada secundária é capaz de absorver muita experimentação e testes, nós não precisamos estragar a chain principal para isso. E eu acho que nós podemos usar coisas como a Lightning Network. Mesmo que utilizemos a Lightning Network como um mecanismo para swaps atômicos, nós podemos construir muitas coisas legais em uma camada secundária. A Lightning é apenas aquela camada que permite que você faça o swap entre elas. Se você tiver Monero e quiser ir para a side-chain do Mimblewimble, você poderá. Ou se você tiver Monero e quiser ir para a, hmmm… side-chain mágica que tem SNARKs do Zcash, você também poderá.

C: O anonimato e as assinaturas em anel do Monero seriam mantidos nessas partes off-chain?

R: Sim e não. Imagine um cenário em que um certo grau de rastreabilidade é necessário. Os usuários realmente querem ter rastreabilidade nessa chain em particular. Ou eles querem ter contratos inteligentes. Fazer isso em uma side-chain significa que:

  1. Nós não precisamos preencher a chain principal com coisas desnecessárias.
  2. Nessa side-chain nós podemos fazer coisas como reduzir a privacidade em troca de uma maior escalabilidade.

O Mimblewimble é um grande exemplo disso. Não que ele não tenha privacidade, mas eles alegam atingir a privacidade de uma maneira diferente e que pode ser atacada através de ataques Sybil e coisas do gênero. Sabendo que esse tipo de coisa existe, nós podemos considerar isso um pouco mais fraco do ponto de vista da privacidade, mas muito mais escalável do que a chain principal do Monero. Então as pessoas devem ser capazes de entrar e sair nela. Elas devem ter a possibilidade de dizer “legal, eu vou comprar café ou fazer várias transações com menor privacidade, mas eu preciso de escalabilidade, pois eu quero pagar usando o meu celular”. Então elas simplesmente entram e saem da chain principal, fazem as transações que elas querem fazer na side-chain, e depois voltam para a chain principal.

C: Quais soluções são prioritárias é na segunda camada? São os modelos de governança? No que vocês estão trabalhando como segunda camada no Monero?

R: A governança não é um dos focos principais agora, pois eu acho que nós temos uma boa estrutura e um estilo de governança aceitável, que é ditado principalmente por pessoas com bastante conhecimento técnico. Mas, para aliviar as demandas por novos recursos na chain principal, nós podemos ter side-chains com diferentes mecanismos de governança. Imagine, por exemplo, uma side-chain que é completamente centralizada e mantida por uma companhia. Então as pessoas vão poder solicitar novos recursos para aquela companhia, pois é ela que está controlando essa side-chain. E não há nenhum problema nisso, pois essas exigências não interferem na chain principal e não afetam a sua santidade. É para esse lado que eu gostaria de ver as coisas caminhando.

E o mesmo é válido para o financiamento. O nosso sistema de financiamento por fórum (FFS) é fantástico. Nós financiamos um bocado de coisas através de crowdfunding. Mas sabemos que é inevitável que scams e ICOs sempre vão conseguir muito mais financiamento devido a sua estrutura. Eu não acho que nós deveríamos modificar a chain principal através de uma mudança na distribuição ou fazendo qualquer coisa parecida com isso. Mas eu acho que nós podemos fazer um split de mineração, semelhante ao do Decred e do Zcash, só que aplicado em uma side-chain. Basta que a side-chain possua algum valor intrínseco, pois a partir daí as pessoas poderão usar esses fundos para desenvolver soluções para o projeto Monero. Então eu acho que poderíamos desenvolver muitas funcionalidades bacanas em uma camada secundária, coisas que nós não conseguiríamos fazer na chain principal.

C: Essas funcionalidades já estão em desenvolvimento? Em que estágio anda o desenvolvimento?

R: Muitas dessas coisas ainda estão sendo discutidas. Para algumas outras eu ainda estou tentando formar uma equipe para trabalhar em uma segunda camada, apenas para fazermos testes e nos adiantarmos. Eu acho que realmente há um congestionamento de transações na rede Monero agora, mas ainda não é algo absurdo, poderia ser muito maior. Então como nós iremos nos adiantar e nos preparar para esse aumento? De que maneira nós podemos construir uma infraestrutura escalável de maneira que quando a demanda chegar, nós possamos dizer „Ei, vejam só, aqui estão as soluções!“. O que eu realmente estou tentando evitar é uma situação em que um aumento enorme de transações venha a ocorrer, sem que nós não tenhamos nada preparado para isso, e precisemos dizer „Foi mal pessoal, vocês vão ter que esperar uns dois anos para que isso seja resolvido“.

C: Você diria que expandir a capacidade de transações através de uma segunda camada é a principal prioridade para o desenvolvimento agora?

R: Sim, a camada dois é a nossa prioridade para a escalabilidade. Mas a prioridade para a camada um é ter os recursos fundamentais funcionando direito. Nós recém incluímos o multisig. Ainda há muito trabalho a ser feito na camada um até que alguém realmente possa dizer, „A camada um está madura e concluída“.

C: Eu sinto que a marca Monero tem tudo a ver com privacidade e é isso que as pessoas pensam hoje quando se fala nela. Você enxerga o Monero indo em uma direção semelhante ao Ethereum? Por exemplo, o Monero é como uma versão privada do Bitcoin, você acha que nós poderíamos ver uma versão do Ethereum que é completamente programável e privada?

R: Eu acho que muitas dessas coisas são bastante arriscadas. O fato de o Ethereum ser programável é tanto uma benção quanto uma maldição. Isso acabou atraindo diversos desenvolvedores, mas atraiu muitos desenvolvedores que não sabiam direito o que estavam fazendo [risos]. Isso não é o ideal. Se quiséssemos explorar algumas das funcionalidades do Ethereum, como contratos inteligentes que preservam a privacidade, por exemplo, nós poderíamos desenvolver isso a partir de uma segunda camada. Deixar as pessoas à vontade para elas fazerem o que elas quiserem nessa segunda camada, deixar elas quebrarem as coisas, pois estragar coisas em uma segunda camada não afeta o Monero em si. Nós não precisaríamos fazer um hard fork do Monero para reembolsar um contrato inteligente que foi mal programado. Isso seria um problema a ser resolvido pelos próprios usuários da camada dois.

C: Existe mais alguma coisa em desenvolvimento que você gostaria de comentar?

R: Nós estamos fazendo agora algumas coisas legais com o multisig, agora que ele foi incluído. Tem muita coisa legal que pode ser feita, como pagamentos contingentes de conhecimento zero (ZKCPs). Imagine um cenário no qual você quer vender um domínio de internet. Como você faz para vender um domínio sem um serviço de custódia? Os ZKCPs permitem que essas coisas sejam feitas sem que um intermediário tenha que segurar os fundos, o que não é o ideal. Existem várias coisas legais que exigem multisig. Agora que ela foi implementada, nós estamos nos dedicando a construir as ferramentas que se aproveitam dessa funcionalidade.

Muito também vem sendo feito em relação às carteiras hardware. Além da Ledger, a qual está muito próxima de completar a integração com o Monero, nós também temos um grupo da própria comunidade que começou a construir a sua própria carteira de hardware, cujo desenvolvimento vem andando muito bem. Acho que nos próximos 3–6 meses nós veremos muitas coisas bacanas surgindo de indivíduos e companhias que estão adotando o Monero.

C: Existe um mercado descentralizado, chamado Particl, que tem um sistema de custódia de múltiplas assinaturas (multisig) onde tanto o comprador quanto o vendedor assinalam fundos e se um deles tenta enganar o outro, então o multisig não se completa. Ninguém consegue enganar o outro. Se vocês conseguissem criar um mercado de Monero com custódia trustless de múltiplas assinaturas, isso teria vários tipos de aplicações.

R: Sim, pelo o que eu entendi os caras do Particl irão suportar o Monero. Agora que nós temos multisig, se torna muito mais fácil para as pessoas construírem projetos que usam essa tecnologia.

C: Como vem andando a adoção da moeda?

R: Muito bem. Eu não sei se você está por dentro do „Projeto Coral Reef“ e o trabalho que nós realizamos. Foi algo que eu e o Naveen Jain fizemos juntos e nós estamos tentando fazer isso no maior número de fases possíveis. A fase 1 do projeto foi financiada em parte pela comunidade, e a outra metade da fase 1 foi financiada pela GloBee. O objetivo era fazer com que o Monero foi aceito por diversos artistas (músicos) famosos, e nós queríamos que isso já estivesse acontecendo nas festas de fim de ano, que é o que nós conseguimos.

Nós conseguimos com que mais de 50 artistas famosos aceitassem Monero, incluindo os Backstreet Boys, Sia, Dolly Parton, Slayer, Ghost e Mariah Carey! É bacana, pois vários artistas importantes acharam o Monero interessante o suficiente para aceitá-lo em suas lojas online, e muitos deles estão oferecendo descontos de 15% para quem usá-lo como método de pagamento. Isso também é muito legal. A Mariah Carey oferecer 15% de desconto apenas para quem for pagar em Monero é algo muito legal. E agora nós temos vários fãs da Mariah Carey, que nunca ouviram falar de Monero, dizendo, „Ok, então eu posso economizar 15% nas minhas compras de natal. Vou ver o que diabos é esse tal de Monero.“

C: Isso é super legal! E o que mais você espera para 2018?

R: Eu definitivamente acho que o Monero terá um maior alcance. Eu acho que temos realizado um excelente trabalho educando as pessoas, mas eu ainda acho que falta muito a ser feito. Além de ter que entender (vagamente) como o Bitcoin funciona, agora as pessoas precisam entender como o Monero funciona e por que a escalabilidade no Monero é ainda mais difícil do que no Bitcoin. Nós conseguimos esclarecer muitas coisas para os nossos usuários, mas não tudo. A questão das taxas é provavelmente a mais difícil de esclarecer. As pessoas não entendem por que elas precisam pagar uma taxa, e é nesse ponto que o sistema das criptomoedas difere do sistema financeiro tradicional.

Quando você usa o seu cartão de crédito ou paga com PayPal, a pessoa que está pagando as taxas não é você, é o comerciante. Mas quando você compra algo com Monero, quem paga a taxa é você, e não a pessoa quem recebe o dinheiro. E isso pode parecer complicado, porque as pessoas não estão acostumadas com essa situação. É comum os novatos ficarem surpresos em saber que existe uma taxa a cada transação e que eles precisam pagar essa taxa. Por isso que educar as pessoas é realmente importante. Elas precisam entender por que essa taxa existe, por que ela precisa ser paga e por que às vezes a taxa está alta. Mesmo que os desenvolvedores consigam baixar as taxas, sempre que alguém fizer uma transação que gaste uns 20 outputs, essa transação vai ser grande. E isso significa que essa transação vai ter uma taxa relativamente maior do que as das outras transações da rede. Mesmo que as taxas do Monero normalmente custem 1 centavo, essa pessoa vai ter que pagar uma taxa relativamente alta: 20, 30, 40 centavos. E nós precisamos explicar isso para as pessoas. Precisamos chegar num ponto em que as pessoas estejam bem informadas e digam, “Ok, eu entendo por que naquela transação eu tive que pagar uma taxa baixa e nessa eu estou tendo que pagar uma maior.”

Essa questão do mercado de taxas não é algo que se resolve fazendo um fork do Monero e alegando que o fork tem taxas menores, isso só confunde as pessoas. A solução aqui é a educação continuada, e eu acredito que é isso que nós iremos ver em 2018. Novas ferramentas, carteiras melhores e mais informação para educar as pessoas, para que elas possam entender, “Eu estou usando Monero, e esse é o custo de se usar Monero”.

C: Sim, eu acho que as pessoas em geral estão ficando mais ligadas nas criptos. A quantidade de pessoas „normais“ que vieram falar comigo sobre criptomoedas na época do natal… [risos] eu simplesmente não consegui escapar das conversas sobre criptomoedas no natal. Bom, para encerrar eu tenho uma última pergunta, Riccardo. Você preferiria lutar contra um pato do tamanho de um cavalo ou contra cem cavalos do tamanho de um pato?

R: [rindo] Eu ja refleti muito sobre essa pergunta. Cada vez que ela aparece em um AMA do Reddit, eu me pergunto o que eu faria se eu estivesse nessa situação. Eu acho que… para mim, como um pônei, eu sinto que eu posso me dar bem com os cavalos. Então eu acho que cem cavalos do tamanho de um pato seria muito mais fácil. Pois eu iria apenas chegar para eles e dizer, „Irmãos! Não vamos brigar, vamos nos unir como equinos e juntos nós poderemos conquistar o universo.“ E os cavalos iriam se juntar a mim.

C: Essa é uma bela expressão do espírito e da colaboração peer-to-peer. Obrigado pela entrevista, meu amigo, e tenha um feliz natal!

R: Muito obrigado!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.