Co-criação: O conceito

Inovar. O verbo assume hoje um papel preponderante no tecido empresarial. Mas como? Em quê? Para quem?

São muitas as perguntas e o marketing traz algumas respostas. A inovação é hoje fundamental para o desenvolvimento das empresas, que muitas vezes estão poucos satisfeitas com os seus produtos e/ou serviços.

A Co-criação, em inglês: co-creation, é um dos termos que surge e que é, sem dúvida, o “new black”. Mas afinal o que é que significa o termo?

O conceito de co-criação começou a ser utilizado em 2004, aquando do lançamento do best-seller “O futuro da Competição” escrito por C.K. Prahalad e Venkat Ramaswamv. É a partir deste livro que o conceito se dissemina mundialmente.

Co-criar é uma forma de inovar e acontece quando as pessoas externas à empresa, como fornecedores, colaboradores e clientes, se associam ao produto acrescentando valor ao mesmo, através do seu aperfeiçoamento. Esta ferramenta poderá também representar uma diminuição do risco no lançamento de um novo produto para o mercado, visto que foi elaborado em consonância com as necessidades dos futuros utilizadores. Outra das vantagens da co-criação prende-se com a compreensão mais eficaz que os clientes terão do produto, seja referente à funcionalidade do mesmo, seja na utilidade no dia-a-dia.

Outros termos com ideologias semelhantes apareceram no passado, como o co-invention, que consistia numa colaboração na fase de design com pessoas consideradas atípicas ao target do produto/segmento e que permitiam uma visão “out of the box”.

A Wikipédia é um dos principais casos de co-criação, visto que é alvo de colaboração de milhares de pessoas em todo mundo.

As empresas têm apostado na co-criação, mas ainda com algum receio, também por falta de conhecimento sobre a matéria. Contudo, é importante ter a noção de que se o processo for bem administrado pode ser extremamente benéfico para o mundo empresarial permitindo uma maior proximidade ao desejo do consumidor.

Estamos, assim, numa altura de grandes mudanças!