O que tinha antes de tudo isso

“Qual a diferença que fazemos no mundo? Por que será que estamos aqui? Será que temos um destino maior que nos será revelado em breve ou a nossa simples existência já modifica o todo? Não sei bem ao certo o que pensar. Quando eu tinha meus 12 anos achava que tudo que fosse pra ser, seria, mesmo sem eu desejar. Achava que o amor viria até mim sem eu precisar me mexer. Mas pouco tempo atrás eu percebi que o amor vem quando estamos desarmados, quando nos abrimos e sentimos um pequeno medo ao contar sobre a nossa vida. São nesses momentos que acontecem as coisas mais importantes. Talvez o problema maior esteja no tempo. Porque assim como o tempo mudou meus conceitos, muda o conceito e o sentimento de todo mundo. E por mais que o tempo passe, e por mais que as mudanças aconteçam, sempre sobram vestígios de como era antes.

O lado bom de ter uma memória “ruim”, porém ser acumuladora é encontrar pistas que eu deixei pra trás e não me lembrava mais. Esse texto que escrevi há quase 10 anos (21/11/2008) achei em um caderno no meio da minha bagunça e talvez tenha sido a fagulha que iniciou todo o processo em que me vejo inserida hoje.

Sempre foi uma necessidade quase que gritante encontrar referências em coisas/pessoas em que eu pudesse me identificar ou que me indicassem quem realmente sou. Esse “grito” foi lentamente suavizando à medida que eu comecei a por tudo em palavras e, finalmente, comecei a me “ler”. Primeiro no blog em 2009. E depois, beeem depois, comecei a falar por mim mesma. É estranho imaginar alguém muda durante tantos anos, mas dizer coisas com a boca não significa de fato “se expressar”. E essa última tarefa é a que venho aprendendo um pouco mais.

Hoje o “grito” virou um sussurro e a minha própria voz vem ganhando mais volume. Não é uma tarefa fácil: eu não nasci pronta e estou tentando me construir com toda a força que possuo, lutando contra aquilo que já haviam, inclusive, construído por mim. Também não é uma tarefa rápida: os textos que escrevi estão datados pra que eu possa me lembrar justamente disso todos os dias. Mas é uma tarefa que vem preenchendo os meus dias, cada um deles, com algo a buscar.

Eu ainda não tenho nenhuma das respostas em que buscava quando tinha 18 anos. Mas, intuitivamente, sei que irei olhar pra trás algum dia e conseguir juntar todos os vestígios.

Memory (1948) - Rene Magritte

Originally published at breathtobliss.blogspot.com on May 1, 2017.