Metáfora sobre meus Antigos

Para Antônia, Honorina, José e Raimundo

Alguns filósofos gregos, como Aristóteles, criaram as primeiras teorias a respeito da existência humana e de nossa composição como matéria. Eles acreditavam que tudo no Universo era formado de quatro elementos: água, ar, fogo e terra.

Sabemos, atualmente, da existência dos elementos químicos e da sua importância na composição das moléculas de todos os seres desse mundo. No entanto, os quatro elementos da Antiguidade ainda fazem sentido nas explicações místicas, metafóricas, religiosas e seja lá qual outra empregabilidade se queira dar.

Pois hoje, peço licença para metaforizar a vida dos meus Antigos por meio desses elementos. Ouvi falar durante muito tempo da minha vida sobre Antônia, Honorina, José e Raimundo. Os quatro são parte importante da minha existência humana.

A Água é adaptável, assume diferentes formas dependendo das condições. Contaram-me que Antônia viveu na beira de um rio, do seu ventre saíram 7 rebentos, mas se adaptou a ser mãe apenas de 5, depois apenas de 4, porque assim a vida quis. As nossas emoções e sentimentos brotam da água, ou das nossas lágrimas de alegria e tristeza. Minha única lembrança de Antônia é de um choro de alegria nos olhos dela, quando nos conhecemos. É praticamente impossível para qualquer ser vivo viver sem água. É impossível viver sem recordar as coisas que ela precisou fazer para outros sobreviverem.

Da Terra vem a estabilidade de poder ficar de pé, de ter um chão. José aquele de postura sempre firme, de passos calmos e tranquilos. A abundancia da terra e sua prosperidade, de onde brotam os alimentos e o sustento. Um comerciante da mesa farta, mas que sabia dar o devido valor a cada alimento daquela mesa. Na terra se planta o que se quer colher no futuro. José se fez raiz para que hoje fossemos a colheita.

Você não ver o Ar, só pode sentir a presença dele. Não conheci Raimundo, mas conheço sobre as viagens de barco pelos rios do interior, conheço sobre os sonhos que sonhou e sei dos seus ensinamentos. A voz é produzida pela vibração das cordas vocais, que é resultado da passagem do ar por elas. Das muitas coisas que já ouvi sobre esse comandante de barco, sei da sua facilidade em conversar com todo tipo de gente e de fazer grandes amigos. No ar tem movimento, tem propagação dos sons e expansão. O que Raimundo sonhou, nós podemos ouvir até hoje.

Indomável ou acolhedor, o Fogo mudou a história da Humanidade de inúmeras formas. Tive a oportunidade de sentir o calor dos braços e colo de Honorina; além de poder presenciar como ela transformava vidas através do acolhimento. O fogo cozinha nosso alimento, queima para produzir energia ou acende para nos guiar. Ela poderia fazer muitas coisas ao mesmo tempo, para muitos e com um jeito próprio. É luz para a escuridão. Em vida ou onde estiver agora , Honorina foi e é centelha em nossos caminhos.

E se lembramos do mito/lenda/parábola cristã sobre o homem ser feito do barro, eu contaria a história assim: só existe barro quando Terra e Água se misturam, e uma figura de barro só consegue durabilidade e estabilidade, se for ao Fogo, e esse por sua vez não pode existir sem ajuda do seu comburente, o Ar. Então, se somos feitos do barro, fomos moldados pela atuação desses quatros elementos, fomos moldados por nossos Antigos
 __________________________________________________________________

Nesse Dia dos Avós, se você ainda tiver os seus nesse plano terreno, agradeça pessoalmente, se nem todos estão ou nenhum, agradeça em pensamento.

Like what you read? Give Monique Moraes a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.