(Não) Transa.

Toques;
do tipo dedo no dedo, olho no olho...
Um carinho meio morno, 
meio assim, torto.

Sem jeito e frio que sobe e gela as costelas devagar...
O consciente sabe que é problema, mas o inconsciente prefere arriscar;
Imaginar e desenhar o contorno de sua boca e com um restinho de tinta te beijar.

Proibido em 150 países, menos na minha imaginação
logo agora que passa da meia noite, e qualquer palavra tua me causa tesão.
Me perdoe, por favor,
Mas mal me queimei de ti e ja estou viciada nessa erupção.

Acesa ou não, a chama causa um disparo.
E em todas as línguas possíveis,
diriam que é só prazer do miocárdio.

Fraca estou, confesso.
Não me importo com o alguém, desobedeço!

Quem diria, que a luxúria do meu espaço tempo,
seria só na sincronia de teclados
numa transa de almas, te conhecer.

Like what you read? Give Mônica Mendonça a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.