Detalhes Valiosos

O aroma de chá verde invadiu a cozinha toda. Ela adora chá verde. A maneira como segura a caneca é tão provocante e sem pretensão. Por vezes fico só observando, enquanto o vapor lhe cega os seus óculos embaçados de aro vermelho. Enquanto esfria, com curtos sopros dentro da caneca, as mãos vão aquecendo e as bochechas agora mais coradas sinalizam que o frio está passando despercebido. Nossos olhos se olham. A boca sorri quase sem perceber. E entre goles de chá vamos conversando sobre tudo que nos cerca. Ela tira seus óculos desnecessários sem um bom livro a sua frente. O aroma ainda nos abraça, confortavelmente, nos mostrando um mundo reduzido de felicidade e confiança que vale a pena. Ficamos em silencio, difícil encontrar palavras para transparecer o que é a felicidade simples sentido, dentro de um espaço de tempo que se for medido pelo coração é indefinido. Por vezes, quem esta do seu lado faz a mágica onde tudo e tão pouco, importa. Seja o que esta dentro de uma caneca, no aroma do ambiente, no olhar crítico amoroso ou de um olhar por lentes embaçadas. Os detalhes valem a pena. Quero um chá verde para aquecer minhas mãos, os pés e o coração.

Like what you read? Give Monólogos a Dois a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.