Uma Noite de Cada Vez

Ela está diante do espelho
Refletindo minha luz
Nos cabelos longos
Delineando seus olhos claros
E eu deitado na cama, aguardo
Delineando seu corpo com meus olhos vivos

Sinto uma paz por ser eu aqui
E ela ali
Tão linda
Deixando que o perfume levemente doce a cubra
Para que eu sinta a sua fragrância
Forte e leve misturada com seu gosto inesperado

Mas a paz e a insegurança lutam
Enquanto ela se arruma
Meus pensamentos se desarrumam
Medrosos
E não percebem que não ha por que ter medo

Hoje, ao menos, ela está ali
E se amanhã não tiver
Foi através do meu espelho
Do meu reflexo
E dos meus olhos
Que sua beleza, seu cheiro, seus olhos delineados
Perderam-se um dia

Ela terminou, e está linda
Vou viver mais essa noite ao menos
Quem sabe ela se perde por aqui
E fica

Like what you read? Give Monólogos a Dois a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.