Pedalar: uma atitude que faz bem para a saúde… e para a mobilidade urbana

Imagine que você se encontra na seguinte situação: precisa se locomover por cerca de 25 quilômetros e, infelizmente, justamente no trajeto que você precisará seguir, ocorreu uma eventualidade, ocasionando um grande congestionamento. Então, como fazer para chegar a tempo em seu destino final sem que seus compromissos sejam cancelados? Qual opção de transporte você pensaria em primeiro lugar?

Se sua resposta foi BICICLETA, você faz parte de ⅓ da população que a utiliza para se locomover, contribuindo para que a mobilidade da região seja melhor organizada e que o planeta seja menos agredido com as emissões de GEE. Seu uso está em constante crescimento e podemos nos atentar à esta realidade usando como exemplo a população holandesa, onde 9 a cada 10 pessoas utilizam suas bicicletas para viajar até mesmo para outras cidades, batendo a marca de mais de 16 milhões de bicicletas no país.

No entanto, pensando em um cenário em que nem todos os cidadãos contêm disponibilidade financeira para adquirir uma bicicleta, porém gostariam de usá-la para fins de lazer ou agilidade de locomoção, diversos projetos têm sido criados no Brasil. Dentre eles, está o Bike Sampa, uma iniciativa da Prefeitura de São Paulo em parceria com diversas iniciativas privadas e desenvolvido pelo Banco Itaú. O objetivo é promover o compartilhamento do meio de transporte, cobrando apenas uma taxa simbólica pelo aluguel da mesma durante o período de tempo pré-estabelecido. Suas formas de pagamento incluem cartão de crédito, dinheiro e o Bilhete Único, atendendo à todos os públicos. Além disso, a iniciativa pretende lançar em Março/2019 a possibilidade do usuário fretar a bicicleta por até 12 horas, permitindo que o mesmo a utilize para ir e voltar de seus compromissos, dispensando o uso do seu carro próprio e melhorando o trânsito regional.

A mesma iniciativa já é existente na cidade do Rio de Janeiro (com algumas ressalvas) e beneficia os turistas que desejam passear pelos pontos turísticos da Cidade Maravilhosa, sentindo a verdadeira emoção de estar na cidade que contém uma das 7 Maravilhas do Mundo.

Mas os programas de mobilidade urbana sustentável não param por aí na cidade de São Paulo: outras organizações privadas também estão arquitetando seus projetos, disponibilizando a locação das bicicletas em locais estratégicos, como, por exemplo, o Parque Villa-Lobos, o Parque Ibirapuera e o Parque Ecológico do Tietê.

Quando imaginaríamos que pedalar combinaria benefícios à saúde e à mobilidade urbana da sua cidade?! Vista essa causa!

Já imaginou uma parceria Moov e Bike Rio?! Você iria usufruir desse benefício?