sobre escrever

não que eu fosse uma escritora nata, daquelas que se sentem inspiradas por qualquer situação que passam, “escutam falar” ou presenciam; aquelas que criam textos com frases dignas de dedicatórias de calhamaços; conseguem fazer poesia de acontecimentos considerados para a maioria sem importância (porém, quando essas escrevem, dão sentido à esse acontecimento corriqueiro que todos estão condicionados ao costume, sequer prestando atenção) ou mesmo as que descrevem sentimentos considerados pelos seres humanos incapazes de decifrar; as mesmas que descodificam enigmas e deles recolhem as maiores questões a serem pensadas, causando uma crise existencial em quem está lendo. sobre ser esse tipo de escritora, nunca fui; sempre escrevi. vez ou outra, sem qualquer ambição de tornar algo público ou profissional, sempre fora pessoal demais. essa era a cereja do bolo. e mesmo nessa condição, escrever, de uns tempos pra cá, se tornou difícil, se assemelhando a qualquer sinônimo de inexecutável. e por que seria? não é só pegar o notebook, posicioná-lo da maneira mais confortável e escrever o que vier a cabeça? pegar uma caneta hidrográfica e rabiscar umas folhas de pautado? afinal de contas, ninguém lê, com exceção de talvez três dos meus amigos mais íntimos. sem pressão, sem obrigação de ser algo fenomenal: sempre fora despretensioso, e mesmo assim, o processo se tornou lamentavelmente dificultoso. escrever me faz bem, me deixa leve, me coloca em outro plano: no meu próprio plano, onde eu posso descarregar minhas frustrações, meus medos, minhas angústias, até mesmo minhas confusões em sentenças que, porventura, apenas eu compreenda ou nem mesmo eu. a vontade é reconfigurar meu cérebro e fazê-lo funcionar tal qual num passado não muito distante. essa “ressaca de escrever” dura alguns períodos e eles parecem ser os mais enrolados, demorados e inacabáveis. mas, por fim, como tudo acaba, aqui estou eu de novo. sejam bem-vindos, leitores imaginários. acomodem-se e sintam-se livres para desembargar comigo e tirar todo o peso dos ombros cansados.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated desembargo’s story.