Repetição da rima

O título veio antes da história. E as mocinhas sempre são salvas no final.

Eu tenho pena de mim quando eu não sou eu. E reconheço sempre, mesmo que da pena eu também carregue o peso. Eu e todo mundo evitamos as coisas ruins.

O que é bonito não se esconde no espelho.

Quando sou apático eu também sinto pena de mim. Aceito a flecha de não ser mais do que isso e apodreço.

A cobrança da cobrança de se cobrar engorda a culpa. Nada pode ser feito no regime totalitário do eu. Redemoinho de espelhos.

E eu e todo mundo evitamos mesmo as coisas ruins. Evitamos também as esquinas sem luz, os vendedores do metrô e a marca mais barata de pão.

Em algum momento do dia, todo mundo fica sozinho. E é tudo bem evitar as coisas ruins.

Wallace Polsom, Seat of Wisdom (2018)