Chamam de inferno astral, eu chamo de…meu deus, vô fazer 24 anos — pobrecita -. 24 anos que tô aqui!!! caralho, bateu a onda forte.
eu eu nem sei o que era pra eu estar fazendo quando já completasse 7 anos que sai da escola, e tudo ia mudar, 18 anos eu ia dirigir por ai, sem freiar na lombada,
2012 você saiu de casa e perdeu um pedaço da sua irmã que na época tinha 12 anos e que quando era bebê você se perguntava meu deus, por que deus me deu uma criatura que eu gosto tanto, não que eu não goste de você m2, mas a m3 é mais parecida comigo, mas estranho eu gostar de alguém parecido, já que minha relações amorosas ( nem tão amorosas ) são com pessoas tão opostas de mim. não não aguentaria uma energia parecida, ou sim, porque a gente se conhece e parece mais ainda que somos tão iguais. e ai um dia a gente vai emboa, fica, fica pelo amor de deus.
eu mudei tantas vezes de rua, não podia colar poster nas paredes da casa alugada, e nem se esvaziam completamente as caixas, e os amigos ficaram…
e ai você vai na psicóloga porque não consegue mais ficar feliz com sua condição de gente no mundo e ela não te fala que você nunca vai ficar assim tão bem, porque não tem como isso no mundo, mas ai você começa a falar de sexo porque o sexo é…mais que assunto popular, é a falsa intimidade, tão fácil falar, tão fácil falar, escrevo…queria namorar alguém que só quisesse ficar assim segurando na mão. como é engraçado fazer sexo, isso interessa tanto a tantos e tantas. e em 24 anos nunca tive uma conversa com ela, minha mãe, me armo e fujo. desde abril.
e ai agora eu não durmo tanto quanto ontem, eu fico tentando criar umas coisas que não vão agradar muita gente que eu queria agradar, porque eu admiro elas, e ai tantas já passaram e tantas vão passar e elas com discurso de que não, o tempo não pode ser assim, as relações não podem ser assim… e vão, adeus, adeus, bye bye, alô.
eu tento segurar um papel, um papel que você escreveu antes de me deixar dormindo, eu nunca quero me levantar pra abrir a porta, e um dia ela me disse que isso era horrível, porque eu que deveria abrir e fechar as portas, e ela está certa e ai eu confio nas pessoas, toma aqui um pedaço de mim, lembre-se é só um pedaço, as coisa ssão complexas amor, e ai você pega o pedaço e mastiga bastante pra ver se o líquido que sai dali é verdadeiro, você diz que tem outro gosto, que não era como eu havia descrito e eu grito que você nunca vai sentir o meu verdadeiro gosto, porque você não sabe de nada e nem eu, e você diz uma verdade e eu acredito mas você acha que é só ela e pode ser só ela, mas se for só ela, eu morro. mas você quer que eu morra, porque você gosta da morte e todo mundo gosta da morte,
e eu assumo tantas coisas e as que eu não assumo eu tento escrever pra ver se ela pula, mas a gente nunca quer ver a coisa toda, um pedaço é bom, pra comer de pouco em pouco.
é meu inferno astral, xuxu.
e eu que queria chamar todo mundo de xuxu, k-brita, e inventar um movimento style-purple que eu ia inventar que inventei porque eu nunca achei que eu ia inventar algo e ai eu tento me inventar mas se inventar toma tanta dor porque é toda hora e falsamente criativa, você acredita em algo e ai eu exagero o algo e depois te dou o que você não quer, mas ai você acha previsível e ai eu fico quieta, porque você não espera que eu fique quieta, ponho cor, tiro cor, corto e rodo…e grito que não não sou verdadeira, nem você e para, para, pelo amor, não pelo amor,, é pqp. pdc
;;200km,vou voou vou,m1 sou eu, que nasci mais contemporânea e precisando mais do mundo que elas que vieram depois, eu eu eu eu,elas nasceram com a internet e eu sei lá com o que nasci, nasci naquela casa em que eu ficava sozinha olhando a rua vazia. lembrei que se eu não posso recordar meus pensamentos de criança,minha vó me disse que desde os 2 anos de idade eu como a unha e quando criança era até sangrar e até as dos pés. levo a mão até a boca e mordo, mordo, é 1996. inferno astral é ser de libra com ascendente em peixes e sei lá mais o que desse céu de merda, i eu ia encontrar ele 2x por semana, extimidade, inferno, inferno

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.