Educação a Distância — EAD Corporativa

Introdução

Mais do que característico, podemos afirmar como intrínseco ao ser humano sua busca por conhecimento. Desde os tempos dos primeiros homens até os dias atuais, a sabedoria está intimamente relacionada com o poder. Foi o conhecimento que permitiu a evolução de nossa espécie e confiamos a ele, no momento presente, a esperança de ascender econômica, cultura e socialmente.

Com esse paradigma em mente, pode-se compreender o interesse das organizações — buscando manterem-se competitivas e sustentáveis — em contar com colaboradores extremamente qualificados. Essa busca não se dá apenas na seleção de candidatos, mas também através da capacitação dos participantes desta Empresa. Sob esse aspecto, enfrentando a necessidade de prover uma educação contínua, surge a Educação Corporativa (EC). Nesse artigo será descrita a abordagem não-presencial dessa modalidade educacional.

A Educação a Distância

A Educação a Distância é, para Alves (2011), uma “modalidade de educação efetivada através do intenso uso de tecnologias de informação e comunicação, onde professores e alunos estão separados fisicamente no espaço e/ou no tempo”. Diferentemente da modalidade presencial, essa abordagem requer pouca ou nenhuma interação em qualquer ambiente físico, possibilitando a descentralização do conhecimento para locais mais longínquos e flexibilizando a oferta educacional.

Respaldada pelas soluções tecnológicas dos tempos atuais, porém enfrentando a baixa distribuição global de redes de Banda Larga, onde metade da população ainda não tem acesso a esse tipo de conexão, a EAD é compartilhada através de diversos Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA). Por linhas gerais, estes Ambientes buscam simular espaços similares aos da Educação regular, inserindo ferramentas de interação e agentes intermediários entre os alunos e o professor e buscando melhorar a experiência educacional.

A EAD é definida oficialmente pelo Decreto no 5.622, que regulamenta o artigo 80 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e traz:

“Art. 1o Para os fins deste Decreto, caracteriza-se a Educação a Distância como modalidade educacional na qual a mediação didático-pedagógica nos processos de ensino e aprendizagem ocorre com a utilização de meios e tecnologias de informação e comunicação, com estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em lugares ou tempos diversos.”

E é complementada por seus artigos e parágrafos subsequentes. Não há nenhuma regulamentação específica para a Educação Corporativa, apesar de ser reconhecida pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

EAD Corporativa

A Educação a Distância Corporativa surge da confluência de diversas necessidades das organizações e — através de seus portais e ambientes de aprendizagem (e-learning) — beneficia não apenas as empresas com filiais geograficamente distantes. Traz vantagens, também:

  • Às corporações interessadas em capacitações com alta disponibilidade, por encontrar em seu Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) uma sala de aula online e disponível a qualquer dia e horário;
  • Às que entendem a educação contínua como forma de não apenas capacitar seu colaborador como também de mantê-lo sempre alinhado às estratégias de negócio da corporação;
  • Àquelas buscando maximizar seu ROI (Retorno sobre Investimento) em Educação, quando demonstra custos reduzidos à abordagem tradicional;
  • Às preocupadas com a necessidade de constante atualização dos materiais didáticos, considerando a facilidade em atualizá-los e distribuí-los;
  • Àquelas interessadas na grande quantidade de dados (big-data) e suas importantes análises que os AVAs podem trazer.

Apesar das vantagens listadas, a EAD Corporativa ainda sofre uma grande resistência dentro das organizações, pelo lado dos colaboradores. Como afirmam ALBERTIN e BRAUER (2012), isso é fortemente relacionado com à resistência às novidades tecnológicas. A pesquisa também explicita a necessidade das ferramentas interacionais:

“Infere-se que quanto menor for sua capacidade de aprender sozinho e realizar o que planeja (Autoeficácia), e quanto menores forem suas crenças de que o sistema de ensino a distância vai lhe agregar valor no trabalho (Expectativa de desempenho), maior será a resistência do empregado em relação à EAD. Além disso, infere-se que se o empregado perceber o sistema de EAD como algo complicado, difícil de usar e de aprender, se não tiver condições adequadas de infraestrutura para utilização da EAD ou se o curso não tiver interatividade, ele provavelmente deverá considerar que tal sistema será pouco útil ao seu trabalho ou que tal sistema não irá melhorar seus resultados (Expectativa de desempenho), que podem ser mais qualidade no trabalho, mais produtividade ou maiores chances de crescimento na empresa.”

Conclusão

Foram identificados enquanto os maiores empecilhos à EC a distância através de AVAs, a falta de acesso à internet de Banda Larga e a resistência à tecnologia por parte dos colaboradores das organizações. Apesar destes, a EC a Distância se mostra investimento importante e necessário às corporações, independente de seu tamanho organizacional, possibilitando educação contínua e formação dos participantes em aspectos interessantes à estratégia da empresa e do aluno.

Referências

  1. AREND, Silvana e RAMOS, Flávia B. A busca do conhecimento ao longo dos tempos
  2. FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder
  3. FERRAZ, Joaquim Nogueira. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning
  4. ALVES, Lucineia. Educação a distância: conceitos e história no Brasil e no mundo
  5. CEPAL — ONU. La nueva revolución digital: de la Internet del consumo a la Internet de la producción
  6. REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, Decreto 5.622
  7. REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, Lei 9.394
  8. ALBERTIN, Alberto Luiz e BRAUER, Marcus. Resistência à educação a distância na educação corporativa