Dilma e o tabagismo (meu)

Como e porque demorei mais tempo a parar de fumar por causa da nossa presidenta

Maldito diário,

Se tem uma angústia que acompanha todo fumante ao longo de toda a sua vida fumígeno-tabagista, ela se chama: câncer. Ao menor sinal de falta de ar é inevitável pensar que ele já tomou 85% de um dos pulmões. Uma dor de garganta, uma mordida na parede interna da bochecha, uma rouquidão acendem sinais vermelhos de cânceres, respectivamente, na garganta, na boca, no esôfago. Daí, ao mesmo tempo em que fumar é um dos melhores prazeres que já tive, foi também uma das minhas maiores neuras diárias.

Fumei. Ai. Meu. Deus. foto: site Fatos Desconhecidos

Hoje é meu 36º dia de interrupção temporária do tabagismo. Temporária porque minha meta é voltar a fumar. Como diz a nossa presidenta Dilma,

não vamos estabelecer uma meta, porque quando atingirmos a meta, a gente dobra a meta,

mas eu a estabeleci, esperando dobrá-la quando chegar a hora: 43 anos, 1 mês e 8 dias é o tempo que falta para que eu fume meu próximo cigarro. Meu aniversário de 75 anos.

Citei Dilma Rousseff por estar ela, neste exato instante, se defendendo das acusações em seu processo de impeachment. Eu não tenho maturidade para isso. Nem estabilidade emocional. E o monstrinho que já vinha adormecendo dentro de mim, o gremlim dentro da minha barriga querendo sair de tanta vontade de fumar, volta à tona. Já me considero um vitorioso por estes 36 dias, pois não foram 36 dias fáceis. Eis o meu retrospecto:

  • Ano passado, logo comecinho do ano, eu decidi que pararia de fumar. Passei o carnaval fazendo das tripas coração pra conseguir, malsucedidamente, estabelecendo metas pequeniníssimas de doses diárias de nicotina. Tava indo bem nessa de diminuir a quantia. Aí veio o fatídico 15 de março de 2015…
ninguém merece… foto: reprodução Youtube

À época eu era editor de radiojornais na empresa em que trabalho, estava de plantão e deveria ajudar no fechamento do matutino do dia seguinte, com uma puta cobertura, ampla e completa, daquele dia de manifestações em todo o país pedindo a saída de Dilma. E aí não tem cristão que aguente entrar no trabalho às 17h, sair às 04h30, sem sequer dar um tapitas se você está neste processo.

E eu fumei… FUMEI! COMO EU FUMEI!

Ah, a felicidade reinava novamente em meu ser. Eu não precisava mais xingar nenhum repórter atrasildo, nem socar o ar na impossibilidade de fazê-lo com o computador. Eu-Fu-Mei. E voltei, agora pra ficar, a fumar.

  • Tentei de novo no finalzinho do ano, sem sucesso again.

Corta pra 2016.

  • Meta de ano novo: stop the cigarrete. Em fevereiro, logo após o carnaval, tava eu lá de boas tomando remédio pra parar, pós orientação médica, fazendo um segundo curso de interpretação pra cinema e TV. O primeiro foi em janeiro. Rolou ali a reaproximação com este amor deixado de lado há 14 anos. E neste segundo curso, eu faria uma cena final com cigarros. De boa. Fumei alguns, poucos, pouquíssimos, juro.

Mas fraquejei.

Veio o golpe.

  • No dia da votação da admissibilidade do impeachment na Câmara, lá fui eu pra Esplanada dar uma força pro lado vermelho da força e forçosamente tive de fumar um cigarritos. Dois. Três. 547, um para cada “sim”. Hipocrisia, um cigarro para cada sim hipócrita, dois, 15 até. Um senhor cigarro para o crápula do Bolsonaro e seu voto dedicado a Ulstra — filho da puta.

Do golpe até aqui, só Deus sabe como eu consegui manter a sanidade mental. Foram 832 microgolpinhos na minha própria vida, alguns derivados diretamente do macarthismo ideológico que se instalou no meu trabalho, outros, apenas porque uma merda nunca vem sozinha mesmo.

Tô aqui roendo partes secas dos meus lábios de forma insana pra segurar essa barra que é gostar de você, Dilma, sem acender um cigs. Porque, já disse, maturidade pra isso eu não tenho.

Eu duvido que haverá a reversão dessa palhaçada. Mas se houver eu vou fumar um cigarrinho por você, minha presidenta querida. E terei força pra ser só ele, derradeiro como a pá de cal lançada sobre essa página infeliz da nossa história.

Força, Dilma! foto: site dercio.com.br