Atheliê da Noiva promove debate sobre câncer de mama neste sábado (21)

Em apoio à campanha Outubro Rosa, de alerta para o câncer de mama, o Atheliê da Noiva vai promover um encontro para tratar do assunto por meio de uma palestra ministrada pela psicoterapeuta Gisele Miranda. O evento acontece neste sábado (21/10), de 14h às 16h, na Escola Estadual Raul Soares, no centro, e todos são bem vindos.

A ideia desse encontro se deu em função do falecimento da professora de Itabirito Hemanuela Maximiano, aos 36 anos, em fevereiro desse ano, após quatro anos de luta contra o câncer de mama. Trata-se de uma maneira encontrada por amigos e familiares para honrar a memória dela e alertar sobre um problema que atinge milhares de pessoas.

O objetivo do encontro é incentivar a população para um olhar voltado à prevenção do câncer de mama, o mais comum entre as mulheres. Além disso, o evento quer reforçar a importância do diagnóstico precoce da doença como fator relevante para a recuperação. Com o apoio da ONG Pérolas de Minas, serão apresentadas dicas de como fazer o autoexame, onde buscar ajuda nesse momento e como proceder juridicamente para conseguir atendimento via SUS.

Câncer de mama
Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de mama é o segundo tipo mais frequente no mundo e o mais comum entre as mulheres, abarcando 22% dos casos novos a cada ano. Mas se for diagnosticado e tratado no momento certo, apresenta grandes chances de cura.

No Brasil, de acordo com o Inca, as taxas de mortalidade por câncer de mama continuam elevadas porque a doença ainda é diagnosticada em estágios avançados. Segundo a estimativa do Instituto Nacional do Câncer, quase 58 mil novos casos serão diagnosticados no país em 2015.

Como prevenção, o Inca recomenda que se evite a obesidade, a ingestão de álcool e a exposição a radiações ionizantes. O instituto alerta ainda para o fato de o autoexame não ser eficiente para a detecção precoce e não substituir o exame físico realizado por profissional de saúde.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.