Vereadores aprovam projeto que remunera comissionados nomeados em comissões

Os vereadores aprovaram, em segunda discussão, o Projeto de Lei 26/2017 do Poder Executivo, responsável por remunerar servidores nomeados como membros da Comissão de Seleção ou Comissão de Monitoramento de Avaliação. Os quatro integrantes da oposição votaram em bloco contra a iniciativa. A vereadora Rose da Saúde aproveitou para responder a grosseria feita a ela pelo procurador municipal João Batista Gonçalves, durante audiência no fórum. Esses foram os destaques da Sessão Ordinária, ocorrida na última segunda-feira (19/06).

O vereador Leo do Social contou, após a Sessão, que além de aprovarem o projeto, os vereadores da base aliada também rejeitaram duas emendas apresentadas pelo bloco de oposição ao referido projeto. Ele explicou que as emendas eram responsáveis por incluir um servidor efetivo nas comissões e também por impedir que os servidores comissionados acumulassem cargos em comissões diferentes.

Primeiro a usar a tribuna, o vereador Dr. Edson contou sobre visita feita ao bairro Novo Itabirito e repassou por meio de indicações as solicitações de melhorias feitas pelos moradores. Disse estar preocupado com as reclamações de usuários com o transporte público e trabalhará em um plano de ação com o executivo para tratar desse problema.

O vereador Leo do Social falou de sua preocupação com as denúncias de demora nos atendimentos na UPA e também dos atrasos nas realizações de cirurgias. Negou a notícia de que a oposição estaria segurando o aumento dos servidores do SAAE.

O vereador Rocha do PT disse estar recebendo muitas reclamações a respeito do número exagerado de multas emitidas pela Guarda Municipal. Segundo ele, é necessário repensar o papel dela que deve ser o de orientar e prevenir e não apenas punir.

O vereador Átila Morais parabenizou os servidores do Parque Ecológico por mantê-lo bem cuidado e ressaltou sua preocupação com algumas reclamações de usuários dos ônibus escolares.

A vereadora Rose da Saúde criticou o atraso das cirurgias e também da precariedade das ambulâncias que segundo ela, estão um caco e amarradas com arame. Disse estar preocupada com denúncias de que as pessoas estão passando a noite na fila para aguardar atendimento na Unidade Básica de Saúde do São José.

Rose aproveitou para responder a uma grosseria feita pelo procurador municipal João Batista Gonçalves para com ela e divulgada pelo site Minuto Mais, durante audiência conciliatória no Fórum entre prefeitura e servidores aprovados e não empossados no concurso da prefeitura. Segundo testemunhas, o procurador de forma jocosa e desrespeitosa perguntou à vereadora “Rose, seu cargo é qual mesmo?”.

Ela esclareceu ao procurador ser servidora efetiva da prefeitura há 20 anos e está de licença por não querer ocupar dois cargos, ao contrário dele que foi comissionado em 2013. Disse ao procurador que esteve na audiência pública a convite dos aprovados para defendê-los e considera um absurdo a prefeitura valer-se de artifícios para não chamá-los. Ela afirmou que vai continuar lutando pela categoria e denunciando essa arbitrariedade no Ministério Público.

O vereador Arnaldo Pereira dos Santos cumprimentou os bombeiros sobre um resgaste feito na semana passada. Esclareceu que não há ambulância de pneu careca e nenhuma funciona amarrada com arame. Segundo ele, apesar de velhas, elas estão em boas condições e passam por revisões constantes. Adiantou que serão alugadas duas ambulâncias e a prefeitura está abrindo processo licitatório para comprar outras três.

Por fim o vereador Ricardo Oliveira reclamou que as respostas do executivo não chegam no prazo regimental que é de 15 dias. Falou das péssimas condições dos carros da Guarda Municipal e que a mobilidade deles é dificultada por causa dos veículos.

O vereador mostrou-se também solidário aos servidores não efetivados, considerando um absurdo a prefeitura ter resistência a convocá-los. Ele ressaltou que, por outro lado, a folha da prefeitura foi onerada em 300 mil por mês devido a contratação de 80 comissionados.

Projeto que remunera comissão

A Sessão foi finalizada com a aprovação em segunda discussão do Projeto de Lei 26/2017 de autoria do Poder Executivo, com voto contra da bancada de oposição.