a magia dos empréstimos

acredito que seja mal de leitor compulsivo (ou apenas leitor) ter ciúme dos livros. raramente confio em alguém pra emprestar. quando empresto sei que de alguma maneira quem está lendo o livro vai descobrir algo sobre mim.

sim, há um fato por trás desse texto. estou lendo um livro emprestado, Um Lugar na Janela, em meio as páginas achei uma marcação. um parágrafo foi marcante durante a leitura daquele capítulo. ver isso me fez divagar, tentar imaginar se existia uma situação que a dona do livro passava — o que ela pensava ao marcar aquele paragráfo — ou então ela viu alguma beleza a mais naquele fragmento. é intrigante levando em conta minha curiosidade absurda. me levou a pensar que também, ao emprestar livros, olham minhas marcações — confesso que me senti um tantinho desnuda.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.