só dia

foi um dia que começou (bem no início mesmo, na hora 00) bem bom. o intervalo entre dormir e acordar foi complicado. o acordar e se manter acordada também, eram só olhos quaisquer acordados. vagando, sem direção, sem sentir. fora risadas vazias procurando preencher, foram dores inexistentes só em buscar de sentir, de ter o que culpar. mas a culpa reflete no espelho, quem eu vejo culpada não é a culpa. é a dona da culpa. um dia que terminou em fuga e lágrimas. um dia que após lágrimas arrancou sorrisos e depois uma conversa. uma conversa que foi no ponto que mais dói, uma conversa que foi sobre não colocar culpa, uma conversa sobre aceitar e tentar fazer melhor. tudo acontece por uma razão, palavras ditas que precisavam ser ouvidas. um colo, o colo mais precioso. foi só um dia, porém ao final dele foi semeado algo. talvez amanhã não seja so um dia, seja dia porém dia da colheita ou apenas do verdinho depois da semeadura.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.