Feira Literária de Rio Novo reúne 10 mil pessoas e mostra que virou gente grande

Oficinas, palestras e debates fizeram parte da programação, que contou ainda com as presenças dos atores Lima Duarte e Angelo Antonio

Foto: Matheus Policarpo

Rio Novo pode não ser um “Grande Sertão”, mas apresentou sua 3ª Festa Literária com muito conteúdo, entre oficinas, palestras e apresentações em homenagem à obra de Guimarães Rosa, “Grande Sertão: Veredas”, que completa 60 anos de seu lançamento neste ano.

Com a presença de figuras importantes, como Lima Duarte e o grupo Contadores de Estórias Miguilim, o evento respingou toda a filosofia e alegria da literatura para as ruas de uma cidade do interior, contagiando crianças, jovens e adultos. Apresentações teatrais transformaram a Praça Prefeito Ronaldo Dutra Borges em um capítulo de um livro literário. Enquanto isso, nas tendas, convidados traziam mais conhecimento, relembravam contos clássicos e promoviam debates entre o público. Segundo a organização do evento, a estimativa é que mais de 10 mil pessoas tenham passado pela praça nos quatro dias de evento, com uma interação maior entre o público e as atividades em relação as edições anteriores.

Na plateia, professores e estudantes aclamavam cada momento da programação. Olhos atentos a cada convidado que subia ao palco. Fotógrafos e comerciantes dividiam sua atenção e dever de trabalho com as palavras que saíam dos alto-falantes.

Para os rio-novenses, orgulho. O estudante Guilherme Gonçalves acompanhava a feira desde o primeiro dia e destaca a diferença entre explorar o tema na sala de aula e na festa. “Para a gente de Rio Novo, é uma oportunidade muito importante, de explorar mais a literatura e conhecer novos autores. Aqui na escola não estudamos esse tema com tanta profundidade, e a feira é uma chance para quem procura mais conhecimento e detalhe”, conta.

As estudantes Júlia Teixeira e Lívia Lima lançaram o livro da turma (Foto: Matheus Policarpo)

Alguns foram até o município para ver de perto o ator Angelo Antonio, que viveu personagens de Guimarães Rosa na TV, mas o público também viu apostas locais apresentarem seus talentos. Alunas da Escola Estadual Raulino Pacheco, Júlia Teixeira e Lívia Lima lançaram o livro da turma do 7º ano, “Memórias do lugar onde vivo”. O trabalho reuniu poemas produzidos pelos alunos e inspirou muitos a continuar escrevendo e pesquisando. Para Lívia, a ocasião é ideal para ajudar nos desafios escolares. “Eu aprendi muito com as oficinas e palestras. Isso vai me ajudar lá na frente, quando eu fizer as provas da escola e da Olimpíada de Português”, aposta.

O projeto foi realizado com outras turmas, mas a sala das duas meninas foi a escolhida para apresentar o livro ao público. Júlia Teixeira lembra que o dia foi especial. “Nos sentimos importantes. Foi muito bom chegar aqui e apresentar nosso livro. Não tínhamos um contato muito forte com a literatura, mas agora vou sair daqui com mais conhecimento”, ressalta. A professora de língua portuguesa e vice-diretora da escola, Eunice Monteiro, lembra o objetivo do projeto. “Queríamos que os alunos tivessem mais interesse pela leitura. E juntar nosso projeto com a 3ª Festa Literária de Rio Novo, faz com que os alunos se sentem mais motivados a fazer seus textos e estudar literatura, além de ter o contato com os autores, aquela coisa viva”, enfatiza.

Foto: Matheus Policarpo

E quem está se preparando para conseguir uma vaga na faculdade, o evento foi mais uma chance para mergulhar no mundo literário, conhecer novas histórias e também tirar suas dúvidas. Com 16 anos, a estudante Maria Eduarda se prepara para o Pism da UFJF, e chegou na cidade para visitar a feira e descobrir novas obras. “O que a gente aprende na escola, aqui é reforçado e apresentado com muito mais detalhe, e isso é muito bom. O Lima Duarte veio até aqui para um bate-papo sobre os contos do Guimarães Rosa, e trouxe umas interpretações que eu não sabia, que cada vez mais é cobrado no Pism e no Enem”.

A feira começou em 2014, em homenagem a poetisa Adélia Prado. No ano passado, foi a vez do o escritor e cartunista Ziraldo comparecer.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.