Maria Felipa de Oliveira

Ser notável é lutar pela liberdade, essa foi Maria Felipa de Oliveira, mulher negra, pobre, valente, destemida que foi heroína na luta pela independência da Bahia.

Muitos de nós já ouvimos a história clássica da independência do Brasil, onde Dom Pedro I, as margens do rio Ipiranga declara a libertação do Brasil contra o domínio de Portugal. Pouco se fala das outras revoltas que ocorreram nos estados brasileiros, onde a história de muitos heróis, que lutaram contra o soldados portugueses foi esquecida.

Se eu te contar que um desses heróis era mulher, ainda mais negra alforriada. Sim essa mulher existiu e foi esquecida pelos livros de história. Maria Felipa nasceu na ilha de Itaparica na Bahia, não se sabe ao certo o ano. Essa mulher era filha de escravos originários do Sudão, conseguiu sua liberdade, e buscou lutar pela sua libertação de seu povo.

Maria era mulher bonita, forte, capoeirista, trabalhava com mariscos, também realizando outros tipos de trabalho pesado. Quando começou a ocorrer o movimento de independência iniciado por Dom Pedro, Maria percebeu que era hora de agir. Começou fazendo a vigia das caravelas portuguesas a noite, na ilha de Itaparica, levava as informações para o Comando do Movimento de Libertação.

Mas Maria não era mulher de ficar parada, o combate chamava, e atendeu. Quando descobriu que 42 embarcações portuguesas se preparavam para atacar a Bahia, viu que o momento tinha chegado. Maria então planejou um ataque, juntou mais 40 mulheres e foi executar seu plano. Essas mulheres se arrumaram, e seduziram os soldados, levaram eles para um lugar afastado esperaram que eles tirassem a roupa, então atacaram, com folhas de cansão (planta que dá uma terrível sensação de ardor e queimadura na pele), bateram nos portugueses e venceram a batalha.

O ataque realizado de Maria foi de grande importância, pois atrasou a ação portuguesa. Assim deu tempo para que as tropas vindas do Recôncavo e chegassem e terminasse com as tropas portuguesas, com uma vitória triunfante em 2 de julho de 1823.

Maria nunca foi esquecida pelo povo da Ilha de Itaparica, continuou sua vida trabalhando, jogando capoeira e encantando o povo. Morreu em 4 de janeiro de 1873, mas sua história continua viva.

Força, quando conheci a história de Maria Felipa a primeira palavra que veio na minha cabeça foi essa. A segunda foi resistência, palavras tão importantes para nós mulheres que temos que ter força para enfrentar os desafios machistas que nossa sociedade impõe para gente. Precisamos ter resistência, para existir e mostrar que estamos aqui vivas e lutaremos pelos nossos direitos.

Fontes:

http://osheroisdobrasil.com.br/herois/maria-felipa-a-heroina-negra-da-independencia/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Maria_Filipa_de_Oliveira

http://averdade.org.br/2012/09/maria-felipa-de-oliveira-negra-pobre-e-heroina/

http://casademariafelipa.blogspot.com.br/2009/11/quem-foi-maria-felipa.html