Um sonho quando se acaba tem gosto de limão quando toca a língua ferida.

Acabam com você.

Fazer uma lista das minhas coisas restantes, lembrar que tenho facas, panelas e talheres, mas não tenho mais uma casa pra chamar de minha, que não tenho aonde colocar a mesa que sonhei tanto e amei tanto garimpar com a minha mãe. Presente da minha mãe e agora não tenho aonde botar.

Trocando em miúdos, pode guardar
As sobras de tudo que chamam lar.

Eu pranteio minha casa, eu pranteio de saudade a minha casinha no liege, com sua parede turquesa e os adesivos que eu mesma colei.

Eu tô tentando, meu pai, como eu tô tentando. A gente demora, guarda luto, mas uma hora se ergue. Mais um dia, menos um dia.

Like what you read? Give Letícia Bernardo. a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.