saudade do que não tive

Leonid Afremov — Rain Rustle

Nos conhecemos por acaso. Prima de uma amiga de uma amiga que gosto muito. Lembro que nos primeiros instantes fiquei embasbacado com o sorriso que tinha, é sincero e sem segredos. Lembro que alguns meses depois nos abraçamos e senti que estava completamente seguro envolto por seus braços, me lembro da sua pele fresca e a minha quente se tocando em um abraço apertado e leve. Conversar com você, sobre o que quer que fosse, era um deleite. Poderia ficar horas te ouvindo e rindo. Gostava de reparar nos seus tiques e ver como eles ficam bonitinhos em você.

Acho curioso a forma que nossos sentimentos são aguçados por estímulos dos mais variados. Um cheiro de ervas em Dezembro (é com letra maiúscula? você é cheia de corrigir nossos erros, não que isso me incomode, mas é bom saber) me lembra o natal, meu perfume, que é o mesmo que você sentia, me lembra de quando entrei na faculdade. Uma coisa remete a outra. Mas o curioso é quando várias coisas remetem a outra. A rodoviária de onde moro me remete a você, músicas me lembram você, livros me lembram você, chuva me lembra você. Paixão me lembra você.

Hoje está chovendo. Estou lendo um livro de história. Me lembrei que não te parabenizei pelo seu aniversário. Passei pela rodoviária. O aleatório do Spotify me pegou de surpresa e tocou músicas que me lembram você e… “por falar em saudade, onde anda você? Onde anda estes olhos que a gente não vê?”. Sinto sua falta, sabe? E como te disse há alguns dias quando urgia a vontade de te contar tudo o que te contei (e mais um pouco), sinto falta do que não tivemos e das coisas mais simples que fizemos.

Sinto falta de almoçar com você, comprar sorvetes e sentar na porta de onde estudávamos. A gente esperava um tempinho e ia estudar (eu, na verdade, ficava dando uns rolês e gastando meu tempo). Sinto a falta da calmaria que era estar abraçado em você. Mas só de estar perto já me bastaria.

Quero te mostrar músicas de novo, quero te falar d’A Insustentável Leveza do Ser de novo, quero combinar coisas que não dão certo. Eu quero falar, falar, falar e ouvir, ouvir, ouvir. Quero te contar minhas novas aspirações e todas as novas frustrações. Mas o mais importante de tudo é que quero fazer planos com você. Sei que não vai dar, então me despeço com muito mais para falar e sentir. Um dia eu volto, espero que você também.

Antes de ir embora você pode escutar The Rain Song mais uma vez?

Like what you read? Give Murilo H. Garcia a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.