OLÁ, VOCÊ

ah, eu me lembro...
do seu hálito doce e do seu calor
em uma manhã de dezembro,
vindo com todo o seu fulgor.

eu nunca fui de ter muita sorte,
mas ainda sinto que tenho algo a cumprir
então aguarde mais um pouco, dona morte,
e pare de me seduzir.

pois resistir a você é quase impossível,
preciso de forças para negar esse poder,
sou pega em sua armadilha incrível
e me ver implorando é seu maior prazer.

um dia nos encontraremos novamente
e enquanto o dia não chegar, me deixe só,
dessa vez eu estou um passo à frente,
você ainda não me transformará em pó.

(A.D. — 15/12/16)

Like what you read? Give MVNDY a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.