O poder do som

Batidas Binaurais

O som capaz de alterar o comportamento do cérebro foi descoberto em 1839 pelo cientista alemão Heinrich Wilhelm Dove. Ele descobriu que quando os sinais de duas frequências diferentes são apresentados separadamente — um para cada ouvido — o cérebro detecta a variação de fase e tenta conciliar essa diferença sincronizando o funcionamento dos hemisférios esquerdo e direito.

Em 1973, pesquisa publicada pelo biofísico Gerald Oster no Hospital Monte Sinai (Nova York, EUA), usou as batidas para comprovar que a estimulação auditiva melhorava o funcionamento do cérebro.

O cérebro influencia diretamente o estado da mente. Definidas pelas frequências com que pulsam, as ondas cerebrais são correntes que fluem pelas ligações neurais.

Nosso cérebro interpreta e entende essas ondas que são classificadas assim:

Delta: São as mais lentas dos 4 padrões principais, 1 a 3 Hz. Estão associadas ao sono profundo, sem sonho, e ao transe profundo.

Theta: entre 3 e 7 Hz. Presentes na meditação profunda e sono leve. Reino do subconsciente.

Alfa: entre 8 e 13 Hz. Ligadas à tranquilidade e relaxamento com olhos fechados e repouso sensorial. Acessadas durante a meditação.

Beta: São as ondas mais rápidas, 13 a 30 Hz. Este é o padrão que obtemos ao monitorizar o nosso cérebro durante o estado de vigília.

Sabendo as características mentais associadas a cada padrão de ondas cerebrais, teríamos uma enorme vantagem em induzir um determinado padrão de ondas de forma a facilitar determinadas atividades mentais. Felizmente existe uma forma para fazer isto e baseia-se no princípio da Harmonização. Os Sons Binaurais, podem ser usados para harmonizar ou sincronizar ambos os hemisférios cerebrais num só padrão sinérgico de ondas cerebrais.

O que é então o princípio da Harmonização? É muito simples. Por exemplo, vamos supor que penduramos nas paredes da mesma sala vários relógios de pêndulo e que cada pêndulo se move ao seu próprio passo, defasado de todos os outros. Com a passagem do tempo os pêndulos tornar-se-ão progressivamente sincronizados, adaptando-se naturalmente o ritmo de cada um até todos os pêndulos se moverem em sintonia, em uníssono. Esta sincronização é o resultado do princípio da harmonização, é um fenômeno físico que ocorre de forma sistemática na natureza sempre que a oportunidade se proporcione.

E como podemos então fazer isto? Vários estudos demonstraram que a meditação pode conduzir a estados em que o padrão de ondas cerebrais reflete uma sincronização entre os hemisférios cerebrais. Esta sincronização reflete um estado especial em que ambos os hemisférios estão ativamente envolvidos nas mesmas frequências.

A melhor forma de explicar os Sons Binaurais é descrevendo por que e como são feitos, mas primeiro será melhor abordar um pouco o seu criador. Robert Monroe, o pioneiro das experiências fora-do-corpo, fundou o Instituto Monroe na Virgínia, EUA. Esta é uma organização dedicada ao estudo da consciência e seus estados modificados. Ao longo de anos de pesquisa desenvolveram um processo capaz de alterar sistematicamente os padrões de ondas cerebrais de forma a induzir estados de consciência particulares. Monitorizando os sujeitos em estados alterados, Monroe e os seus colaboradores realizaram experiências com o som para modificar o estado mental de uma forma previsível e controlada.

Criar frequências de Sons Binaurais é bem simples, é quase mais fácil fazê-lo do que explicá-lo! Este processo consiste basicamente em aplicar estímulos auditivos em ambos os ouvidos. A idéia é tocar um tom num ouvido e outro tom, ligeiramente diferente, no outro ouvido. Ao processar estes dois tons captados pelo ouvido direito e esquerdo, o cérebro assimila a diferença entre os mesmos e num efeito de harmonização, entra nesta frequência. Ou seja, se o nosso ouvido esquerdo captar um som com uma frequência de 97 Hz e o direito captar um som com uma frequência de 103 Hz, o nosso cérebro irá perceber um diferencial de 6 Hz e assim entrará nesta frequência, que se enquadra no intervalo de ondas Theta.

Concluindo, podemos verificar que, devido ao advento da ciência e da tecnologia, a cultura ocidental parece finalmente ter encontrado as suas próprias formas de induzir estados de consciência alterados entre os quais podemos encontrar o sonho. Assim, podemos usar esta tecnologia para nos ajudar a ter sonhos, a potenciar a sua retenção e recordação, potencializar a memória, a capacidade de concentração, o foco e diversas outras coisas.

Instruções Úteis para o uso correto:

1. Deverá ser ouvido com fones de ouvido com capacidade ESTEREO (mais aconselhado) ou por um bom sistema de som também ele configurado para ESTEROFONIA.

2. Não deverá ser escutado muito alto. O suficiente para que não ocorram distrações vindas do exterior.

3. Deverá colocar-se numa posição confortável (de preferência olhos fechados) e garantir que não será perturbado.

4. A audição de batidas binaurais pode induzir a estados de perda de consciência o que pode ser perigoso a quando a condução de máquinas ou automóveis, assim que recomenda-se precaução.

Marcus Vinícius (Oceanus)
Business Designer 
Especialista em Criatividade e Tecnologia