Uma carta para os desapegados

Trilha Sonora

Como vão?

Primeiramente gostaria de dizer que, se você é desapegado e é feliz assim, continue assim. Mas é que eu não consigo entender como.

Não consigo entender o porquê não se entregam por completo. O porquê ser errado amar até se consumir. O porquê de ser chamado trouxa por dizer o que sinto, sem jogos e indiretas.

Não consigo entender como pode ser superior ter vários “contatinhos”, se nenhum deles te faz querer ter um só. Do que adianta várias conversas, se nenhuma delas te faz sorrir no ônibus. Ter um contato que contata sua alma vale mais que uma agenda lotada.

Não consigo entender como um beijo anônimo em uma festa, pode substituir um beijo conhecido, seguido de horas de uma conversa que você não quer que acabe. Como um beijo esquecido, logo na manhã seguinte, pode superar um que te fez ficar acordado até de manhã.

Mas consigo entender chegar em casa de um encontro, e já mandar mensagem remarcando o próximo. Porque de tanto relembrar os momentos, reviver os detalhes mentalmente enquanto voltava, deu saudade.

Mas consigo entender seu coração vibrar de alegria, quando de todos os contatos na sua agenda, a mensagem que recebeu foi do mais importante deles.

Mas consigo entender o frio na barriga quando se entrega pra alguém, e ela si devolve de troco.

Mas consigo entender quando dizem que o risco é maior para o que se apega. Até concordo. Mas você vai parar de viver por medo da morte?

Segundo. Se você é desapegado mas não é feliz assim, espero que essa carta te mostre por onde começar.