Música e a imbecilidade juvenil

“Minha diva é aquela que você teme”

“Pisa menos, mana”

“Se você não gosta, você é um homofóbico, misógino, racista e fascista.”

Essas frases de adolescente que vivem o dia inteiro no Twitter e tentam dar pitacos sobre política através do que a mídia corporativista propõem, resumem a geração de debilóides que há no mundo inteiro.

A questão do pop music no mundo inteiro influenciou diversos jovens no mundo na obtenção de formas rebanhos para endeusar aquele artista que está nas paradas musicais, logo se tornam massa de manobra do sistema e definem aquilo que deve servir como educação. Talvez por isso, há uma geração de idiotas úteis no Brasil, América e Europa, onde passar o dia no Twitter vale mais do que estudar e mudar o establishment, isso se torna cada vez impossível em razão do modo cultural que os pais desses jovens envolveram na forma de educação, deixando tudo na mão do estado, logo a Escola de Frankfurt se concretiza na sua aplicação de ideias ignorantes. A “New Left” obteve maior expansão com Saul Azinsky desde a década de 70 com​ movimentos hipsters, envolvimento da classe artística para influenciar adolescentes em uma busca de ideais fantasiosos e pregando o estado como o centro do universo, a partir disso, centenas de jovens acabará por sofrer uma lavagem cerebral nas escolas, universidades, redes sociais e levam a indivíduos na adequação de rebanhos e na determinação de padrões que sendo quebrados, serão julgados pelos mesmos indivíduos. Atualmente, há diversos jovens que influenciados pela elite artística entram na política para pregar um discurso moralista e contra princípios básicos que compõem um pilar de uma sociedade, ou seja, criação de movimentos como Black Lives Matter, Femen, Antifa, ResistCapitalism e grupos LGBT’s que fazem cidades pegarem fogo em favor de luta de classes e tendo como financiadores a Open Society, Irmãos Koch, Bild e ONGs que recebem dinheiro de fora para permitir a agenda globalista, estão sendo comuns.

Após a eleição do Trump, diversos inúteis que caem no conto da mídia corporativista (CNN, MSN, NBC, ABC e localmente, a Globo) fazem discursos como adolescentes burros que vivem dentro de uma bolha e não observam a realidade que vivem. Recentemente, o Eminem fez uma música chantageando o Trump, assim como o maconheiro bosta do Snoop Dogg fez, a diferença é que houve uma crítica de adolescente bosta e no outro, alusão ao crime.

Percebe-se que os jovens que são influenciados pelos seus ídolos no engajamento da política, se tornam aquilo que a mídia e o sistema tende a tomar como aceitação e padrão de jovem moderno, caso você seja diferente de tudo isso, você será o Public Enemy N°1 deles.