Lean UX no mercado brasileiro

Uma linha de raciocínio do porquê estamos tão empacados.


Estive relendo um artigo no Designmodo sobre wireframe e prototipação quando me veio esse texto (parte eu cheguei a compartilhar por email no trabalho). Esse artigo do Designmodo é longo mas, sério, leiam. Traz pontos interessantes sobre a origem e futuro dos conceitos de Agile UX e Lean UX.

Lean UX é um dos pontos mais carentes(e críticos) do mercado atual. Na verdade temos quase nada, o que temos são equipes inteiras dedicadas à experiência do usuário que na verdade são fazedores de wireframes/layouts. Isso vai desde grandes agências até estúdios menores. Lean UX inexiste.

Foto do Flickr de um tal de dvs.

No mercado internacional é fácil achar cases de estúdios que conseguiram incluir Lean UX na sua rotina e evoluíram. Não se trata mais de entregar x, mas sim fazer aquele x ser o melhor do mercado. E é impossível fazer isso numa entrega única. Fazer o melhor x do mercado envolve botar no ar, testar, refazer, botar no ar, testar, pivotar, refazer…

Empresas brasileiras adoram isso como argumento de venda, o cliente adora ouvir e é algo que convence. Mas na prática falamos de algo que quase sempre envolve uma entrega única.

"Senhor, seu wireframe vai custar mil reais"

É claro, o mercado brasileiro não tem essa abertura, costuma pagar apenas por entregas, não por rotinas. Mas isso também é um desafio lá fora e culpar o mercado brasileiro é a desculpa mais fácil pra nossa incompetência.

Quando falam que é impossível vender Lean UX porque o cliente não quer pagar, eu discordo. O que falta é um melhor entendimento de ambas as partes sobre como conduzir, gerenciar e, o principal, como negociar isso. É uma evolução natural, necessária a qualquer projeto que tenha KPI's bem definidos.

Créditos da foto: Andy Logan

Em alguns casos, as empresas não fazem ideia do que é Lean UX mas a carência é tão grande que acabam fazendo isso com atitudes inconscientes. A mais clássica é dispensar a agência e investir numa equipe interna. Por que? Porque é a chance de ter um time 100% dedicado no desenvolvimento de um produto, uma equipe errando, refazendo, estudando, aprendendo e, finalmente, acertando — opa, isso é Lean UX, não? Uma agência/estúdio quase nunca consegue resultados flexíveis e rápidos porque alterar algo que já está no ar é tido como um novo job, que resulta em uma nova negociação e mais burocracia. Outra cena clássica: empresas começando a questionar se a agência de marketing é realmente necessária.

Lean UX é usar o dia a dia como aprendizado. Talvez nossa primeira lição seja parar de encarar o processo de desenvolvimento como uma linha de produção. Quantas vezes você viu a equipe de UX discutindo com a equipe de tecnologia? Quando isso aconteceu, foi saudável?

Foto: Rodrigo Capuski.

De quebra, aquele texto do início traz alguns pontos como o fim da era PSD (vejam os comentários desse post, é massa porque traz a visão do dia-a-dia dos designers e não apenas o conceito) e o quanto o processo de UX precisa estar mais próximo do processo de desenvolvimento. A idéia é que não seja mais uma linha do produção “alô fulano do front-end, segue PSD em anexo, boa sorte”, mas sim desenvolvedor e design atuando juntos. Esse post exemplifica bem essa necessidade.

A galera que é pura de UX tem sentido uma falta absurda de estar mais próxima do código. Não à toa, os melhores especialistas UX são aqueles que manjam de código. O mercado tem sentido essa necessidade mas ainda não conseguiu se adequar e encaixar isso num fluxo. Se prestar atenção, isso é Lean UX, é fazer em tempo real pra ir ajustando e deixando melhor. Como fazer isso? Aproximando desenvolvimento de user experience talvez? Como viabilizar isso? A maioria tem desenhos e coisas em andamento, mas poucos possuem algo que já tenha sido validado empiricamente.

Foto: Rodrigo Capuski.

Enfim, por mais que o texto seja sobre wireframe e prototipação, reparem que na verdade ele aborda como fazer entregas melhores (algo que todos buscamos). Se vocês repararem, é justamente sobre unificar mais as entregas e aproximar as equipes que estão em disciplinas distintas. Isso não é só baseado no post do início, mas muito no conceito de Lean UX.

Enquanto continuarmos cobrando e fazendo entregáveis, jamais conseguiremos nos dedicar a um fluxo completo de experiência do usuário.

Isso vale pra mim, isso vale pra você, isso vale pro mercado.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.