Sobre a busca pelo propósito de vida

Você não é um ET, isso é real!

Há alguns meses passei por uma experiência que me levou a um processo de transformação interna incrível, intenso, revelador e um tanto quanto doloroso. Finalmente enxerguei as amarras que me aprisionavam, bloqueavam meus sonhos e me impediam de agir.

Mas hoje, sentada aqui escrevendo tenho certeza que esse processo começou há anos, quando terminei a faculdade e simplesmente não me encaixa em nenhuma das opções de trabalho compatíveis com o curso que havia escolhido. Todos os dias pela manhã eu cantava um mantra dizendo que eu amava minha profissão e, muito embora desejasse com todas as minhas forças que fosse verdade, dentro do peito sentia que nada daquilo era verdadeiro.

Dois meses após a formatura do curso superior, consegui um emprego em um escritório renomado no qual sabia que teria experiências profissionais valiosas. Eu estava um tanto quanto empolgada porque, apesar de estar confusa sobre meu futuro, sempre adorei um desafio.

Depois de 2 anos trabalhando lá eu sentia um desanimo devastador e não entendia porque. Veja bem, apesar do imenso volume de trabalho que me obrigava a trabalhar todos os dias (inclusive em alguns feriados, fins de semana e durante as pseudo férias) até altas horas, a equipe era incrível, meu chefe era um cara visionário que todos os dias me ensinava alguma coisa e eu tinha sido promovida, evoluído muito profissionalmente, era pra eu estar feliz, não era?

Mas eu não estava, me sentia desanimada todas as manhãs e não via sentido no meu trabalho e na minha vida, não havia outro motivo senão o salário no fim do mês para eu fazer o que fazia todos os dias. Eu pensava comigo: a vida é só isso? Trabalhar, pagar contas, comprar coisas, viajar, constituir família e só?

Eu queria e ansiava por mais, mas não sabia o que era esse “mais” que eu tanto buscava. Precisava sentir que a minha energia estava sendo direcionada para algo útil e que me fizesse vibrar de felicidade, mas não tinha a mínima ideia que como fazer isso, por onde começar.

Assim como eu, muitas pessoas se sentem dessa maneira todos os dias e acham que não existe saída, ficam pulando de um trabalho para o outro achando que o problema está naquele emprego específico ou na área que escolheram para atuar profissionalmente, sendo rotuladas pela sociedade como perdidas, desorientadas, ou tendo que ouvir, ainda, que nunca serão ninguém, que não sabem o que querem de vida, etc.

Eu procurei ajuda, li vários livros e blogs e assisti alguns vídeos, mas ainda achava impossível esse negócio de encontrar propósito de vida e de fazer o que se ama, uma verdadeira baboseira. Eu achava que tinha que ganhar dinheiro e que já estava velha pra começar determinadas coisas, tinha que seguir o fluxo que a sociedade e que todas as pessoas a minha volta consideravam como correto, deveria casar, sair da casa dos meus pais, trocar de carro e atingir várias outras metas e conquistas que eu nem sabia se faziam algum sentido para mim.

Quando eu senti minha vida completamente estagnada e esse incômodo ficou a beira do insuportável, a ponto de eu já não conseguir mais fugir dele, eu finalmente dei o braço a torcer e passei por um processo de coaching (que eu achava que era a maior idiotice do mundo, enganação, coisa usada para tomar dinheiro dos outros porque, afinal, eu sabia o que deveria fazer, só não fazia) que foi a melhor coisa que eu fiz na vida. Tudo que eu ouvi e senti naqueles dias abriram minha mente, mudaram completamente minha forma de pensar e me ajudaram a encontrar algumas das respostas que eu procurava.

Com as ferramentas que recebi e com muito estudo, hoje consigo entender que esse incômodo era, na verdade, minha intuição me dizendo que eu precisava expandir minha consciência e que as atividades pessoais e profissionais com as quais eu preenchia meu tempo não estavam minimamente alinhadas com o meu propósito de vida.

Todo esse desconforto foi substituído pela certeza de que a vida não era só aquilo que eu imaginava, que realmente existe um motivo para tudo e que as coisas que nos acontecem são o melhor que poderia ter acontecido naquele momento. Eu entendi que o propósito de vida não é aquilo que a sociedade nos faz acreditar que é certo, não é comprar uma casa nova, um carro zero ou ter uma família de comercial de margarina, mas sim uma coisa que só você pode fazer, que faz sentido para você mesmo que não faça para os outros.

Desde o minuto em que tive coragem de abrir meu coração para as pessoas que amo, contar meu sonho e dizer que eu não queria mais fazer o que fazia senti uma liberdade inexplicável, um sentimento tão bom que beira a insanidade.

Claro que não é tão simples assim, existem muitas questões e pessoas envolvidas que não vão entender e vão tentar te impedir, falar que é loucura e que você não pode, não vai conseguir. Mas, se no seu coração você sente esse incômodo, desanimo e essa ânsia por mais, se joga sem medo. Estude, planeje e se prepare, porque seu propósito foi criado para ser realizado e, uma vez que você estiver alinhado com ele, nada pode impedir que aconteça!

Não posso afirmar que já sei exatamente qual o meu propósito, mas tenho certeza absoluta que estou muito mais próxima dele. Não acordo mais com aquele desânimo todo, pois as atividades do meu dia fazem sentido para mim, elas vão me ajudar a chegar onde eu sempre quis, a realizar o meu sonho de uma vida inteira, que ficou calado e escondido no meu coração durante todo esse tempo porque eu tinha medo de decepcionar as pessoas a minha volta, tinha medo de que elas se voltassem contra mim ou me achassem louca demais, perdida demais, velha demais pra isso, tinha medo do julgamento alheio.

Ao mesmo tempo, sei que tudo que eu passei até aqui será útil de alguma forma para que meu propósito se realize exatamente do jeito que deve, porque tudo tem seu tempo e tudo que me aconteceu com certeza era o melhor que poderia ter acontecido naquele momento. Por isso, não se desespere se você acha que não está fazendo o que deveria, mas não se entregue, procure ajuda, o propósito de vida é real e você também pode se alinhar com ele, encontrar seu lugar no mundo e ter a vida que você acha que deve e não a que os outros te impõem