quero te tirar de mim

você já assistiu “Brilho eterno de uma mente sem lembranças”? acredito que sim.

seria muito triste dizer que eu tenho vontade de ser a protagonista desse filme só pra te esquecer? seria muito duro, para você, ouvir isso?

desculpa, mas é a mais pura verdade.

ando meio cansada de tudo isso e você não sabe o quanto. queria te expelir de mim, te tirar a força dos meus sonhos, mandar a minha cabeça não pensar mais em você. e eu queria que fosse fácil, mais fácil do que a tal história de tirar doce de criança.

mas infelizmente a criança sou eu e o doce é você. e te tirar de mim é a missão mais difícil dessa minha atual vida. digo atual pois sei que, com toda a certeza, terei outras vidas com missões mais difíceis do que essa, o que não torna nada mais fácil.

eu queria me chamar Clementine, queria que você se chamasse Joel, queria que existisse um Dr. Howard Mierzwaik. queria apagar toda e qualquer lembrança de nós dois. queria esquecer o sexo, o abraço, o carinho e o beijo.

eu queria muito nunca mais me lembrar de você na minha vida.

eu nunca me senti tão feliz e em paz na vida. depois de tudo que aconteceu no ano passado, estar em paz é o mais próximo que já cheguei da felicidade (por enquanto) eterna. as coisas estão funcionando, os dias estão repletos de cor, sigo rodeada de pessoas de bom coração e muito melhor do que tudo isso, continuo feliz por ser só.

mas o amor que sinto por ti, (in)felizmente sempre tão genuíno, me dói. dói mais que pé torcido, maxilar quebrado, queixo rachado, dente colado. ficar longe de ti dói tanto quanto ficar perto. ter o seu silêncio escancarado dói tanto quanto ter o seu silêncio disfarçado de amor quando quando estamos juntos.

o seu silêncio quando estamos juntos foi o que me fez escolher a dor do silêncio escancarado, pra ser sincera. mas tanto faz. sendo 8 ou 80, são 72 possibilidades de dor nessa nossa história.

e eu só queria enfiar a minha mão pela garganta pra te tirar de dentro de mim.