Existem coisas mais importantes que sua dor.

Eu sei que foi ruim, e eu sei que ainda dói. Eu sei que ainda influencia, que traumatiza, que nos impede de viver plenamente, de confiar, e que podia ter sido melhor. Sei que você merecia mais que isso, que você precisa de mais que isso.

Mas existem coisas mais importantes que sua dor.

As contas não vão parar de chegar porque você precisa gritar e arrancar os cabelos. E as horas não vão deixar de passar porque você precisa deitar e fechar os olhos inchados até a vontade de levantar e seguir voltar. Nem os dias, nem os anos vão fazer uma exceção e te aguardar enquanto você está ocupado sentindo sua dor.

As pessoas vão se ocupar e ir embora enquanto você está preocupado com o que passou, sem criar memórias novas com ninguém. Suas pessoas queridas podem não estar mais aqui amanhã para dizer que vai ficar tudo bem, ou te dar aquele sermão irritante. Aquela pessoa que te machucou pode desaparecer antes que você perceba que o pedido de desculpas nem era tão importante assim, e que houve mais tentativas de acerto do que erros.

Sua criatividade não vai voltar enquanto você achar que hoje não dá porque ainda não é a hora — a hora nunca vai chegar enquanto você esperar por ela sentado, se ocupando de coisas que te distraiam da sua própria mente porque tentar dói. Você não vai conseguir tirar sua mente do luto enquanto achar que ele é sua razão de viver ou de produzir, que ele é parte de você, e a vida vai seguir até você perceber que você é mais do que o que sofreu, ou o que te fizeram sofrer.

Além das paredes escuras da tua mente existe uma infinidade de coisas aleatórias e novas que vão acontecer com ou sem você. Existem assuntos e pessoas que você poderia se apaixonar se não estivesse tão ocupado em observar sua própria dor. Existem oportunidades que você teria construído ou abraçado se não estivesse ocupado olhando o que poderia ter tido ou o que nunca vai ter.

E mesmo que você grite, chore, se acabe, não vai existir ninguém capaz de te ajudar tanto quanto você, quando finalmente entender que precisa de ajuda. E enquanto você está isolado nas sombras de sua percepção destrutiva há pessoas lá fora construindo novos mundos, mundos que talvez você se adapte melhor, mas que nunca saberá se não tentar.

Sua dor não é tudo isso. Você é mais que seu sofrimento.

E ficar aí curtindo a bad não vai te levar a lugar nenhum, literalmente.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.