Precisamos aprender a transbordar as emoções

Em mundo de friezas, descompassos, desumanidades, não há antídoto melhor do que transbordar emoção.

Créditos: Um Milhão

Quem diz que ser emotivo é ruim não conhece a sensação de liberdade que é deixar-se fluir; sentir como se deve sentir e recompor-se no momento que achar ideal.

Somos mais ensinados a castrar sentimentos do que a colocá-los em prática. Não à toa a tendência em querer transformar seres humanos em máquinas gélidas, profundamente racionais.

Não critico quem tem a fácil capacidade analítica. Quem consegue ver as coisas com o olhar de uma pretensa objetividade (Às vezes até “invejo”). Há ocasiões nas quais é bom e necessário. Mas faz bem ao corpo e à alma exceder-se em si mesmo.

É até educativo.

Ensina os nossos próprios limites. Ensina a lidar com nossos destemperos (coisa que permaneço aprendendo).

Que difícil é parar e voltar a atenção a si próprio! Não nos estimulam a isso. Nossa concentração é unidirecional, não desliga para as coisas de fora, para os assuntos do momento, e relegamos tempo mínimo — ou nenhum — a conhecer nossa particularidades.

A viagem interna é complicada. Por vezes dolorosa. Mas satisfatória quando feita.

Entender-se, aceitar-se — inclusive no quesito emoção, tido como negativo em certos momentos — é urgente. Principalmente quando o que mais falta é sentimento.

Corro o risco de ser piegas, mas não me importo. O que são as pessoas sentimentais sem o recheio meloso externado nas palavras clichês e nas atitudes explícitas? (Avisei). Me enquadro — e com orgulho — no grupo dos emotivos, sentimentais e exagerados quando o assunto é emoção. Choro fácil. A motivação sendo feliz ou não. E não me envergonho. Transbordo as lágrimas sem dificuldades e prefiro assim.

Após por muito tempo tentar podar essa característica, prefiro ser exagerada quando falam em emoções do que ser gélida. Igual diz uma frase: “gente fria está morta”. De fato. Estão mortas as gentes que não se permitem, não se esbaldam nas emoções e rejeitam as mais variadas formas de sentir.

Like what you read? Give Ana Maria a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.