Feriado no mato

Chuva de flores amarelas
abençoam as passarelas 
de formigas e aranhas.
Por sorte, estava entre elas.

Passarinhos recolhem palhas
constroem ninhos,
fio em fio, suspirando cantos. 
Que bom é ter ouvidos para seus encantos!

Águas correm, entre pedras e árvores 
o vento venta, despertando fadas,
os peixes beijam os pés da gente, 
eu bem sei que a natureza também sente.

As estrelas cadentes caem 
inspirando pedidos.
De trás delas, ainda tem aquela serra,
imponente, nos vela.

Me curvo e louvo,
Eu louvo a mãe Terra!