Sobrevivente

Essa carta é uma das mais especiais deste projeto, pois me toca num ponto extremamente frágil: a maternidade. Mais ainda, me mostra falhas que tive e que eu não me perdoo em ter cometido.

Você conhece a força que a tua existência tem em mim? A força que me desconforta, me desacomoda, que me impele a continuar lutando?

Duas vezes sobrevivente.

Numa de sua própria existência, outra da existência do que lhe era mais precioso. Duas vezes resistiu, caiu, mas levantou e seguiu, com cortes, talhos, sangramentos, mas viva e ainda mais forte.

Tua força me inspira, me faz suportar minhas próprias dores, me mostra que é possível sim se fortalecer do que te derruba. O que não mata engorda, como diria minha avó.

Pra além disso eu te devo desculpas. Não estive contigo no pior momento da tua vida, não me ofereci pra te dar apoio, pra ajudar no que fosse preciso. Não pude estar num momento de luta em que tu precisava de mim, e isso me envergonha e me dói.

Me perdoa. Pela fraqueza, pela falta de empatia, pelo meu erro tão terrível. Eu jamais vou me perdoar por não ter estado contigo, e ainda sim eu sei que tu sente uma amizade genuína por mim.

Mais um motivo pra que eu te admire, pra que eu te tenha como exemplo, pra que eu continue, todos os dias, a levantar e lutar.

……………………………………………………………………………………..

Para entender:

https://www.facebook.com/nanda.fernandes.96/posts/1463731100329432?notif_t=like&notif_id=1498769492542023

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.