Minha opinião de merda sobre a revitalização do Cais Mauá

Eu fui na tal audiência pública sobre a revitalização do Cais Mauá e a minha tristeza é por ter visto o que vi, porque se tivessem me contado, eu não acreditaria.

Vocês querem entender por que Porto Alegre não anda? por que ela tá cheia de obra inacabada? Por que o motorista, o ciclista e o pedestre reclamam? Vocês deviam ter ido lá na sexta feira. A política virou futebol LITERALMENTE. Sexta feira, tinha torcida organizada no evento, com bumbo e musiquinhas. Lembram quando a Geral do Grêmio entrava faltando faltando minutos pra começar o jogo e incendiava a torcida no saudoso Olímpico? Pois é, foi isso que uma galera fez, entrou com cânticos sobre privatizações e contra o Muro. Do outro lado tinha uma galera “do contra” por ser do contra. Eu escutei de alguns a seguinte maravilha: “Não precisa reformar, o cais tá pronto, é só usar”. Claramente essas pessoas não vão lá desde a década de 70.

Num evento desses percebe-se porque não andamos pra frente: quem faz política hoje não esta preocupado com a população, eles querem apenas enfraquecer a oposição. É tudo uma briga de poder e foda-se a gente

Sobre o projeto em si, vou dar a minha opinião de merda separada em duas partes. Tirando-se da equação o estacionamento, as torres e a questão das arvores, o projeto é lindo demais. Sério, vi as imagens e deu muita vontade de que tudo já estivesse pronto. Porto Alegre vai ganhar muito com o novo cais. Espaço bem distriuido, coisas legais pra se fazer, boa área de circulação, vai ter uma ciclovia lá dentro ligando o centro com o gasometro.

Dai tem as três tretas que eu tirei da equação: Eu entendo e apoio PPPs, acho que o estado não tem capacidade de arcar com um custo desses e tem mais é que entregar para uma empresa fazer e explorar o espaço, mas TRÊS TORRES? TRÊS? Pra que? Acho justíssimo que tenha um hotel de luxo lá, que tenha sala comercial e tudo mais. Mas três torres de 15 andares poluindo o visual da orla é bem desnecessário. Não sou arquiteto, nem engenheiro, mas tenho certeza que existem soluções melhores pra esse problema.

Sobre as arvores que vão retirar, existem dois problemas: um de foco e outro de comunicação. Se não me engano, existe uma lei municipal dizendo que, pra cada arvore retirada pra um empreendimento, duas devem ser plantadas em outros lugares. Lei essa que, obviamente, não é cumprida. Então não adianta reclamar da retirada de 350 arvores da orla, tem que exigir que elas sejam replantadas em outros lugares. Ahhh, mas o projeto poderia ser mais arborizado? As arvores poderiam ser poupadas? Com toda certeza, mas dai seria um projeto muito “prafrentex” para o Porto Alegrense médio e nunca rolaria, esqueçam isso. Além disso tem um problema seríssimo de comunicação. A justificativa da empresa para a retirada dessas arvores é que elas são exóticas à região, por isso tá liberado cortar (sim, 20 delas não são exóticas e serão transplantadas). Meus amigos, se fossem cactos no meio do oceano não seria justificativa pra retirar de lá. Se me dissessem, “olha que projeto lindo, que coisas legais, mas pra isso nós vamos tirar essas árvores daqui e plantar o dobro no bairro” seria bem mais paupável do que “essas arvores não são da região então foda-se e passa o serrote”.

Agora, meu maior problema com o projeto. O maldito estacionamento. Tem gente que reclama do shopping que vão construir ao lado do gasômetro. Não vejo problema nenhum se fosse apenas ele, mas segundo projeto é um prédio de 3 andares (um pouco mais baixo que o da usina), sendo que 2 andares são somente de estacionamento.

Sim, a vista mais bonita da cidade vai ser pro seu carro curtir e não as pessoas.

Para vocês terem uma noção, teremos lá quase mil vagas a mais que o Iguatemi oferece. Não vamos nem falar sobre o trânsito no local. Daí uns dirão: “mas como fazer um empreendimento desses e não ter estacionamento?”. Uma pergunta justa e honesta, mas qualquer pessoa que já andou pela Mauá sabe que quase todos os prédios dali são grandes estacionamentos, que basta atravessar a rua e tu estaria dentro do cais. Inclusive, tem pelo menos um deles que oferece uma van gratuita para levar as pessoas até a doca da ilha do GNU. Porque não estender o serviço para quem tem necessidades especiais? Então soluções existem. Se até eu com essas opiniões de merda achei, imagina quem é da área.

Resumindo: o projeto tem uma ideia boa, traz um real avanço pra cidade, mas cai naquela mesmice que nós vivemos há muitos anos na cidade. Ninguém pensa nela, só pensam no que cada um vai ganhar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.