O dilema do Ansioso.

Acredito que o primeiro passo para falar sobre ansiedade é tentar explicar o que Transtorno de Ansiedade Social ou Fobia Social.

“De acordo com o Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais da Associação Psiquiátrica Americana (2002), caracteriza esse transtorno como um medo excessivo e persistente de uma ou mais situações sociais ou desempenho, nas quais o indivíduo pode sentir-se envergonhado ou embaraçado, além de ter medo de ser observado, julgado ou humilhado por outras pessoas”.

“Da população geral, entre 5% e 13% apresentam sintomas de Fobia Social”. Paremos um pouco para pensar nesse número. Somo hoje no mundo 7 bilhões de pessoas!, se pegarmos a menor margem desse número, 5%, teremos 3 milhões e 500 mil pessoas em todo o mundo que apresentam algum sintoma de fobia social. É muita coisa. E, conforme a fonte pesquisada, até o momento não existem pesquisas sobre ansiedade/fobia social no Brasil. Para dimensionar ainda mais como isso é um problema e não “besteira” como muitos acreditam ser.

Aqui, deixemos um pouco de lado os números e a parte acadêmica do texto.

A ansiedade/fobia social é sim uma doença e deve ser trata por todos como tal. Fóbicos(as) sociais sofrem fisicamente com isso. Não é simplesmente “não querer sair”, “não querer conhecer” etc, ter ansiedade/fobia social e ficar suado, frio, com enxaqueca, com vontade de se esconder dependendo da situação. Convites para sair, ir em festas, shows etc são extremamente complicados de se aceitar, principalmente se for “em cima da hora”.

Quando um fóbico social nega sair com amigos ou ir em eventos da empresa além de estar se poupando, também está se punindo por isso. A cabeça do fóbico simplesmente extrapola todas os possíveis cenários negativos. Apesar dos medos de interação social, o fóbico também anseia em ir aos eventos, em estar com os amigos, em conhecer outras pessoas. E isso faz a sua mente entrar em parafuso.

Quando ele nega sair com amigos, por exemplo, não é simplesmente ficar em casa e estar tranquilo. É estar em casa e ficar pensando “será que eu deveria ter ido? Será que estão falando mau de mim porque eu não fui?”, “estou com saudades deles, deveria ter ido” e etc.. E o mesmo acontece se o fóbico aceitar ir sair com esses amigos; “será que fui convidado apenas por educação e não deveria ter ido?”, “será que aquelas pessoas estão rindo de mim?”, “Devo ir pra casa e parar de incomodar as pessoas?”.

E esse cenário de fobia/ansiedade social não restringe apenas aos grupos de amigos. É estendido ao ambiente profissional. Onde este pensa; “será que meu trabalho está sendo satisfatório?”, “aquelas pessoas ali no canto, será que estão comentando o que faço ou deixei de fazer?”, “Meu chefe pediu para falar comigo, será que fiz algo de errado? Será que serei demitido?” etc.

Outro grande problema é que a fobia/ansiedade social sempre acompanha outros tipos de problemas psicológicos. Depressão aparece intensamente no quadro de comorbidade, com pelo menos metade das pessoas com um distúrbio de ansiedade indo tornar-se depressiva durante sua vida (AHIMSA — HILTON & PERKINS 2002).

Então, peço por favor que parem de tratar as pessoas ansiosas como “folgadas”, “antissociais”, “mimadas” como se elas fizessem pouco dos convites, como elas desmerecessem entrevistas de empregos. É um problema que é muito banalizado, sofremos dentro de nós mesmos todos os dias. Se houve alguma recusa para evento, saída, conversa etc a culpa não é sua e você não fez algo de errado. Entenda que quem está ao seu lado está sofrendo de um problema sério e tudo o que ela quer é ser ajudada. Se possível, ofereça ajuda. Vocês não têm ideia de como um “senta aqui ao meu lado, você está bem?”, Precisa de companhia?”, “Quer conversar em particular?” pode ajudar em muito uma pessoa a passar por situações, que para você pode não ser muita coisa, que para ela é confusão e um turbilhão de pensamentos e sentimentos.

O maior dilema do ansioso e querer estar perto das pessoas e não conseguir.

Fontes:

http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672012000100005

http://www.ahimsa.org.br/centro_de_recursos/projeto_horizonte/comorbidade_em_disturbios_de_ansiedade.pdf

Like what you read? Give Guilherme Marrocos a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.