relatos de uma desmemoriada

Meu dia começara acordando atrasada, pois me esqueci de programar o despertador. O céu era de um cinza nímbico e eu esqueci meu guarda-chuva em casa. No caminho, lembrei que tinha esquecido de responder àquele e-mail e, quando cheguei ao trabalho, esqueci novamente. Minha chefe me pergunta “Nara, onde está aquele documento que te entreguei?” e eu fico emudecida, os olhos distantes, pois preciso de alguns segundos para me lembrar do que fiz com o bendito papel.

No final de semana, fiz uma lista de compras de mercado e a esqueci em cima da minha mesa (e depois fiquei andando por todos os corredores para me lembrar de tudo que precisava pegar; me senti ridícula).

Ainda que eu tenha uma agenda, um planner diário, post-its espalhados por aí e notas autoadesivas do Windows, não consigo me lembrar de tudo o que devo fazer. Esqueço compromissos e tarefas como ninguém. Me lembro do aniversário daquela pessoa, mas esqueço de dar os parabéns. Esqueço de um favor que foi pedido a mim. Preciso que me expliquem algo duas vezes, pois não me recordo da primeira explicação.

Começo a me preocupar com minha saúde mental. Consigo visualizar em minha mente a cena, a médio prazo, do neurologista me entregando o terrível prognóstico de Alzheimer — resultado do qual eu me esqueceria momentos depois sem a medicação necessária.

Desesperada, começo a procurar no Google qual a causa do meu problema e o que poderia ser feito. Seria falta de vitamina B12? Déficit de atenção? Apneia obstrutiva do sono? Transtorno de ansiedade? A cada artigo lido, a preocupação aumenta. “Deveria marcar uma consulta”, penso, mas óbvio, eu não me lembro onde deixei a carteirinha do convênio médico.

Seria cômico se não fosse trágico.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.