Quase morte

Eu não tenho pensamentos para alimentar minha constante necessidade de maltrato mental, nada dentro de mim é meu pra isso. Uma dor forte tomou conta da parte da frente da minha cabeça, meu único raciocínio é “fique viva até às 18hrs”, “consiga pegar um ônibus até em casa”.

Eventualmente quando preciso ir ao banheiro, esses comandos “continue vivendo” são trocados por “consiga andar fingindo uma expressão corporal “normal”. Você não quer ver a pena nos olhos das pessoas, ter de ouvir “meu Deus, coitadinha, ela ta ardendo em febre.” e entrar em um delírio febril “Eu sabia, sabia, sabia mesmo! É tudo uma grande mentira, tudo pegadinha, saiam dessas paredes escuras com suas câmeras, seus crápulas sem caráter! Explorando a mentalidade de uma pobre doente?” Ela não merece…

Era bem isso, ter que aceitar o fardo da sua própria vida. Dizer “Que que eu fiz pra merecer isso? Qual é a minha divida tão horrível?” e depois se silenciar com uma dura verdade “nem é tão difícil assim, deixa de drama.”

Difícil é ter que passar o dia sofrendo com a inexistência da sua mente. Tomada por dor… (drama)…

Nota posterior: eu de verdade quase morri…