Curiosidades (engraçadas e nem tanto) sobre Almaty, Cazaquistão!

Dentro do condomínio onde moro!

Helloooo!!! Estou de volta! :) 
Resolvi contar algumas curiosidades sobre a cidade onde moro até pra vocês saberem como é aqui! Porque antes de vir, em qualquer lugar que eu ia e pra qualquer um que eu contava que estava vindo para cá, a pessoa já fazia uma cara tipo: “Oi? Cazaquistão? Onde fica isso? Você vai fazer O QUÊ lá?”. Quando eu contava que estava vindo por causa do trabalho do meu marido, era mais engraçado ainda!! Sério gente, eu via na expressão facial da pessoa (uau! haha) aquela indagação: “Nossa! Mas seu marido é soldado ou algo assim?” e de alguma forma eu conseguia ver aquele balãozinho de pensamento em cima da cabeça daquele ser imaginando a minha pessoa numa cidade deserta, cenários de guerra, prédios destruídos, crianças chorando, mulheres muçulmanas com burcas e tanques de guerra pelas ruas da cidade. Peraêêê, galera!!! Não tem naaada disso! Hahaha 
POR ISSO, a intenção é contar algumas curiosidades sobre o estilo de vida do pessoal aqui. Existem algumas coisas bem diferentes das nossas, algumas engraçadas e outras bem legais mesmo. Bóra lá!

Fotógrafa: Juliana Ribeiro. (Sigam no Instagram @almaty_brasil) Fotos maravilhosas de Almaty!!
Fotógrafa: Juliana Ribeiro. (Sigam no Instagram @almaty_brasil)
Fotógrafa: Juliana Ribeiro. (Sigam no Instagram @almaty_brasil)
Fotógrafa: Juliana Ribeiro. (Sigam no Instagram @almaty_brasil)

Através dessas fotos acho que consegui tirar da sua mente aquele climão de guerra, né? As pessoas remetem muito Cazaquistão com Afeganistão, Paquistão e o que mais termina com “istão” e as notícias destes países que chegam para nós no Brasil, são somente sobre guerras e atentados terroristas e coisas ruins (só pra variar um pouco né… aff!). Mesmo assim, no Cazaquistão não existe nada disso! E Almaty é linda demais!! Como já falei em outro post, possui quase 2 milhões de habitantes, então você já consegue imaginar através das lindas fotos, uma baita cidade muito bem estruturada. Aliás, as fotos são de uma amiga, da Ju (Juliana Ribeiro). Ela também é brasileira, é carioca, mora aqui e é apaixonada por Almaty e bolou um Instagram com a intenção de mostrar visualmente essa linda cidade! Valeu pelas fotos, Ju! Nova parceria do blog! Hehe

Do que eu já vi e vivi nestas duas semanas (e um dia) que estou morando aqui, notei umas coisinhas. Quando estamos em algum lugar público, na rua, no shopping, no mercado e etc, e estamos conversando em português, eles param, ficam te olhando (na caruda mesmo haha) e ficam meio que impressionados. Por ser um país que não está no top list de “lugares para conhecer antes de morrer” da maioria das pessoas (eu julgo uns 95% vai!), é difícil encontrar estrangeiros aqui! Então eles ficam curiosos mesmo! Muitas vezes, quando têm a oportunidade, perguntam de onde somos, se estamos gostando do país e tal… é sensacional! Muito legal mesmo! E a maioria fala inglês, fica bem fácil de “ se virar”. 
Os homens aqui são mais sérios, não têm o costume de te dar bom dia, não seguram a porta pra você por mais que você esteja cheia de bolsas e sacolas de mercado. Não espere isso deles! (Mas esperar de quem hoje em dia também, né? Vamos combinar…). As mulheres também são mais frias. Mas são pessoas mais reservadas mesmo. Também, né… nós viemos de uma cultura brasileira onde somos mais calorosos. Já conhece, já dá abraço, beijo, as vezes dois beijos, pergunta como é que tá, já rebola e mostra a bunda (brincadeeeeeeira, não me julguem! haha). Então como em qualquer lugar, temos que respeitar esta cultura e modo de viver deles aqui.

Eu, o Diego e a Molly moramos num condomínio onde existem vários prédios e outras construções e tal. Bem legal! E uma coisa muito legal mesmo que existe aqui são uns “mini mercadinhos”. Eu que apelidei de mini mercadinhos, tá gente? São umas barracas bem pequenas montadas na frente dos prédios, quase na entrada deles, onde ali vende algumas coisas talvez mais urgentes que também vendem no mercado, mas que fica mais prático (ainda mais no frio) para você descer e comprar só o essencial, aquilo que tá faltando e precisa urgente ou que “puuutz, esqueci de comprar no mercado!”. Vendem garrafinhas e galões de água (a água da torneira aqui não é própria para consumo), algumas frutas, arroz e muitas outras coisinhas… bem legal!

Desculpem-me pela foto, né gente! Tava frio, era noite e eu não sou a Ju! Hahahaha

Como já comentei também, aqui agora é inverno e neste momento está fazendo -3ºC. Para sair na rua, precisamos estar sempre bem agasalhados porque realmente é muito frio (óbvio!). Mas dentro dos lugares, de qualquer lugar, é quente. Muito quente às vezes! E pela preguicinha ou talvez pela pressa, algumas pessoas não querem tirar o casacão e ficam com ele, assim, o dia todo. Maaaaas, no calor a gente sua dentro do casaco. SIM! E o que eu já notei muito aqui em algumas pessoas, homens principalmente, foi um cheirinho não muito agradável presente no rastro onde passam. Hehe gente, não tô generalizando, ok? Eu e os amigos brasileiros que vivem aqui, todos já notamos esta característica peculiar em algumas pessoas. Mas são poucas. Acho.

Eu indo ao mercado. Os casacos têm que ser bem quentinhos mesmo. E não, não fico fedida tá! Eu uso desodorante ao menos! Hahaha

Mudando de assuuunto (he he he), uma coisa muito legal das pessoas daqui é que quando alguém está resfriado ou doente, todos têm o costume de usar aquela máscara que protege o rosto, tipo de médico/enfermeiro, dentista, sei lá. É muito comum sair na rua e encontrar pessoas com isto.

Máscaras cirúrgicas.

Inclusive, uma amiga contou um caso que aconteceu com ela aqui, logo que veio morar para cá, que achei bem interessante! Foi o seguinte: ela estava num playground dentro de um shopping com a sua filha de 3 anos que estava saindo de um pequeno resfriado. Mas em certo momento, a menina começou a tossir e outras duas mães que estavam perto também com seus filhos no play, ficaram olhando com uma expressão não muito simpática e inclusive uma delas chegou a reclamar com a funcionária do play que ali havia uma criança resfriada. Esta minha amiga brasileira já mora aqui há alguns anos e comentou comigo que os cazaques não gostam de ver crianças doentes nas ruas. Eles têm uma regra ou educação de que criança doente tem que ficar em casa para melhorar, tomar remédio e só voltar à andar nas ruas ou frequentar escolas, parques e etc quando estiverem curadas. Achei legal, interessante e envolve muito respeito e cuidado, né?

Dentro do condomínio onde moro. Este dia nevou muito!!

GENTE! Uma coisa que eu me empolguei muito em contar para vocês, acho que a curiosidade mais diferente de todas, deixei pra agora. Haha 
Aqui, existe um costume MUITO legal! Se você quer ir à algum lugar longe e tal, não possui carro e precisa pegar um táxi, não precisa se incomodar… pegue uma carona!! 
Outro dia, eu e o Diego queríamos ir até uma pizzaria que fica mais distante de onde moramos e pegamos uma carona, gente. Foi assim: chegamos na rua na frente do nosso condomínio e o Diego levantou o polegar pedindo carona. Passou uns 3 carros no máximo e o 4º logo parou. Baixou o vidro, perguntou onde queríamos ir (em russo ou cazaque, não sei a diferença e não vou saber por um bom tempo hahaha), combinou um valor e pronto! Entramos no carro, ele nos deixou na frente da pizzaria! É muito engraçado! Normalmente eles te cobram uns KZ$500,00 (quinhentos tinge) que são quase US$2,00 (dois dólares). E não tem perigo nenhum! A mulherada aqui vai pra academia que fica mais afastada do local onde moram, sozinhas, pegam as caronas e chegam lá, todo dia. Basta você saber pronunciar o endereço, falar os valores em russo/cazaque e tá tudo certo! Eu não fiz isso ainda sozinha e acho que vou sentir um pouco (muito) de medo, mas uma hora vai né… hahaha é muito legal! Fico imaginando tentar isso no Brasil… AH TÁ!!! HAHAHAHA
É um costume muito interessante mesmo! Eu e o Diego já fomos há alguns lugares de carona! :)

Bom, por enquanto é isso, galera… espero que tenham gostado!
Em duas semanas já consegui passar para vocês muitas curiosidades de Almaty, do que estou vivendo aqui. Acho que nos próximos meses terei bastante coisa pra contar… espero!

Beijão e até a próxima!

Ná ❤

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.