Aquilo que este mundo mais precisa hoje

Por Jaquelle Crowe. Traduzido por Rilson Guedes.

Imagem: Pexels

Semana passada foi o Dia de Ação de Graças no Canadá, e isso me lembrou de uma de minhas citações favoritas de Paul Tripp:

“Todos os dias você vai encontrar motivos pra reclamar e todos os dias você vai ter razões para ser grato.”

Os cristãos deveriam ser as pessoas mais gratas do planeta. Fomos perdoados, libertados e esperamos por um futuro muito mais glorioso do que qualquer um de nós pode imaginar. Temos um bilhão de motivos para ser gratos.

E Deus nos deu cada um deles.

Mas somos muitas vezes ingratos. E ficamos reclamando do clima, da temperatura, da comida, de nossas famílias, de nossa casa, de nossa conta bancária e de nosso emprego.

As dádivas de Deus viram um canal de reclamações. Ele proveu nossas necessidades, mas nos tornamos incrivelmente ingratos.

Por isso, todos os dias somos confrontados com uma escolha: ou ligamos nosso coração para a adoração ou ligamos ele para a amargura. Podemos fazer as coisas para Deus ou para nós mesmos. Só temos essas opções: Escolhemos entre abnegação ou egoísmo. Alegria ou descontentamento.

Muitas vezes pensamos que isso se trata apenas de sentimentos. Se não nos sentimos gratos, então não podemos ser gratos. Mas sentimentos são flutuantes como o vapor, e não podem receber nossa confiança sempre.

A gratidão é uma disciplina. Devemos aprender a escolher a gratidão. Lutar por ela. Mesmo sem nos sentirmos particularmente inclinados a ela naquele momento em particular.

É disso que mais precisamos no mundo de hoje: pessoas dispostas a lutar pela gratidão.


Jaquelle Crowe é autora de Isso muda tudo e apresenta o podcast Age of Minority. Encontre-a no Twitter!