PROCURA-SE

esse é uma carta para o meu amor, o amor que eu ainda não encontrei

Eu sei que você está aí em algum lugar.

Eu sei que um dia você vai chegar e vai mudar minha vida de um jeito tão incrível ou terrível que vai me fazer ficar.

Eu não sei se eu já te conheci, se já falei contigo, ou se você sequer saber o meu nome. Não sei se você me acha bonita ou sabe meu endereço, eu não sei se já te vi antes ou se você já me viu antes.

Essa é uma carta para o amor da minha vida, e eu sei que não faço ideia de quem você seja, mas eu quero que você faça uma ideia de quem eu sou.

Não sei se você gosta da minha banda favorita ou sequer gosta de alguma banda que eu gosto. Não sei se você tem cabelo loiro ou castanho, e não sei se você gosta de azeitona. Eu não sei muita coisa sobre você.

Mas se eu estou escrevendo isso é porque estou apelando à escrita para que as pessoas saibam a falta que você me faz, eu já sinto saudades suas e eu nem sei quem você é.

Eu sei que um dia a gente vai se esbarrar na rua, ou no bar, ou em uma cafeteria. Eu sei que você com certeza vai me achar diferente. Todos eles acharam, eu não podia pensar que com você seria diferente.

Eu tenho te esperado desesperadamente, será que isso faz de mim uma tola? Eu já tenho 19 anos e nunca tive um namorado, então não sei se estou atrasada ou se os outros estão adiantados.

Eu espero que um dia eu possa olhar tão profundamente nos seus olhos – que eu não sei a cor, mas chutaria verdes (porque eu tenho uma forte atração por olhos verdes) – e conseguir enxergar mais do que todo mundo vê. Eu espero poder decorá-los em um ponto em que eu conseguiria contar todos os riscos e manchinhas que têm lá.

Eu espero que um dia eu olhe pra você e saiba instantaneamente que é você o dono dessa carta. Pensar algo do tipo “é ele” e nada mais. Eu gosto tanto das palavras, mas imagino que eu ficaria muda ao observar o quanto você é bonito.

Eu vou perceber uma hora, eu sei. Talvez você estivesse aqui o tempo todo e eu que nunca parei pra reparar, ou talvez você esteja tão longe que eu não consigo alcançar. Talvez você esteja por perto e só passou despercebido, talvez você seja meu amigo. Eu não consigo imaginar mais ninguém no mundo do jeito que eu imagino você.

Você já teve tantos nomes – eu diria Arthur, para eu te chamar de Art, ou Bernardo, o nome que eu queria dar pro bebê da minha mãe, que era menina. Talvez você se chame Rafael, como aquele garoto que só eu via. Talvez você se chame Thiago, e seja de São José dos Campos. Ou talvez você seja que nem a minha irmã mais nova – todos esperavam por um menino, mas é uma garota.

Esteja onde você estiver, saiba que eu estou te procurando, e eu estou perdendo qualquer esperança de encontrar. Talvez você não seja um amor pra vida inteira – na verdade eu não quero isso. Talvez a gente fique junto um ano ou dois, e logo depois eu entrego essa carta para o meu próximo amor.

Mas vou esperar por você assim como eu consegui esperar tantas outras coisas na minha vida. E eu espero que um dia, quando eu souber quem você é, quando você me olhar nos olhos, que eu possa dizer:

“Por que você demorou tanto?”

Eu estou ansiosa pra ouvir a sua resposta.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.