O que é que eu vou fazer com essa tal sororidade… ?

“Sororidade é a união e aliança entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo, em busca de alcançar objetivos em comum.
O conceito da sororidade está fortemente presente no feminismo, sendo definido como um aspecto de dimensão ética, política e prática deste movimento de igualdade entre os gêneros.” FONTE: procura no google depois.

Preciso falar sobre essa tal sororidade.
E fazer isso assim, em público, pode até comprometê-la.

Mas, preciso.

Preciso deixar sinalizado que, às vezes, é forçado me pedirem para me posicionar dentro de causas tão distantes do meu feminismo negro. Isso porque só o feminismo, assim, sem o nome composto que ele tem pra mim, costuma pensar os privilégios, motivações, construções sociais etc contrapondo homens e mulheres. Para mim parece pouco, ou melhor, parece adiantado. A impressão é que a minha comissão tá antes disso, tá ainda no preto e branco tão antiquado e tão pouco superado.

Ninguém perguntou, mas escrevo isso pra protocolar e justificar meu direito de não fortalecer essas mãos dadas #nóspornós que, por muitas vezes, simula uma igualdade de ponto de partida dentro do bloco das manas, mas que, por mais vezes ainda, acaba fechando o cerco e deixando nossos homens pretos e pobres na pipoca, de novo.

Não sei se precisa ser só daqui ou de lá; se tem como lutar contra a hipersexualização dos nossos corpos e estar, ao mesmo tempo, numa marcha para expor meu corpo já tão historicamente banalizado. Provável que tenha. O que sei é que não tenho conseguido girar esses dois pratinhos de uma só vez. Me parece tão sublime quanto organizado (demais para as minhas capacidades), conseguir me ver representada neste momento, na corrida da mulher que luta dentro do mercado de trabalho para receber salários e tratamentos análogos aos dos homens, sendo que, desde que desembarcamos, nosso direito de receber “alguma coisa” parece não ter sido cristalizado ainda.

Não é falta de afinidade com a causa, só acho precipitado, para nós, cuidar de garantir igualdade em um determinado aspecto, sendo que tem tantos outros mais graves e descuidados por aqui. Se é certo (e louvável) todas as lutas pautadas pelo feminismo? Para mim, sem dúvida! Só queria desmistificar essa ideia de coletivo que, ao menor descuido, descuida da (para mim, verdadeira) ferida aberta e negligenciada que tem base social e contraste de cor. Como só quem sente, consegue sentir de fato, não tenho a expectativa de ser entendida em absoluto, mas, respeitada por escolher organizar meu quarto de despejo antes de cuidar da Casa Grande. Vai chegar a hora dela. Por enquanto, se puderem dar uma força aqui nessa bagunça, a gente agradece e adianta o serviço de uma vez!