Porque Eu Parei De Dar Tapa Na Cara Do Meu Namorado

A Influência da Cultura Pop em nossos relacionamentos.

Eu achava que era normal dar um tapa na cara do namorado uma vez ou outra. Como se um tapa na cara fosse uma forma legítima de argumentação. Perguntando, descobri que muitas das minhas amigas já deram um tapa na cara do namorado ou ficante alguma vez. Muitos dos meus amigos já levaram um. Afinal, “um tapinha não dói”. Quando eu repeti este comportamento, meu namorado falou chega.

Meu namorado é uma pessoa razoável e argumentou que não era justo eu bater nele por três motivos: 1- Ele se sentia humilhado 2- Ele não podia retrucar 3- A máxima de que ninguém pode bater em ninguém. Foi aí que me dei conta de que ele tinha absoluta razão.

Desde criança a gente aprende que não pode bater no amiguinho, nem no irmão, nem em ninguém. Bater não é legal. Como homem, você é ensinado a nunca bater numa mulher. Como mulher você é ensinada a nunca apanhar de um homem. Denuncie. No entanto, por algum motivo, eu achava que o tapa na cara do namorado era uma exceção, uma brecha no sistema.


Intrigada, e como boa fã de Agatha Christie, eu decidi investigar.

De onde eu tirei a ideia de que um homem dar um tapa na cara de uma mulher era crime, mas o contrário era aceitável?

A resposta para a primeira metade desta pergunta é óbvia. Como sociedade, enfrentamos um problema grave e global de violência contra a mulher. Constantemente lemos notícias e vemos campanhas que tratam do assunto. É uma questão histórica, cultural e de educação. A violência contra a mulher é um problema ainda longe de resolução. Ok, isto responde porque homem bater em mulher é socialmente inaceitável, mas não legitima de forma nenhuma o meu comportamento, certo?

Essa permissividade de que mulher pode dar tapa na cara de homem, reforça a ideia do sexo frágil. A mulher pode bater porque ela não machuca, ela é fraca. Um estereótipo do qual estamos tentando nos desvincular há tanto tempo. Apesar de homens, em geral, serem fisicamente mais capazes de se defender, quantificar violência é como quantificar racismo ou misoginia, não existe medida aceitável.

De acordo com o artigo da jornalista Jennifer O’Mahony, publicado no jornal The Telegraph, em 2013:

“Uma em cada sete mulheres de 15–22 anos nos EUA admite bater em seu parceiro, comparado a apenas um em cada 20 homens.”

Ainda sem resposta para a minha pergunta, eu comecei a observar se existia alguma influência cultural para este meu comportamento. Bingo! Sabe quando você começa a prestar atenção em alguma coisa e de repente você começa a percebê-la em todos os lugares? Eu descobri que tapa na cara é como a bandeira dos Estados Unidos, está em quase todos os filmes e séries que eu assisto. Em dramas e comédias.

O tapa muitas vezes aparece como um símbolo de soberania da razão. Neste caso, a moral da história é sempre a mesma: ela está certa e ele mereceu. Ninguém merece violência, em qualquer escala. Nas comédias, uma mulher agredir um homem é considerado, em si, algo hilário — fica claro pela reação dos coadjuvantes. Não me entenda mal, eu escrevo comédia e eu amo comédia, longe de mim querer tirar a graça das coisas. Um tapa na cara pode ser engraçado, tanto num homem quanto numa mulher. Tudo depende do discurso que está por trás da cena. É importante prestarmos atenção no discurso para não reproduzirmos ideias atrasadas.


As Referências

Entre as séries e filmes com cenas de tapas, socos e chutes de garotas em rapazes (fora de um contexto de luta ou ação) estão:

The Mindy Project, The Good Wife, Modern Family, How I Met Your Mother, Scandal, Key and Peele, Sherlock, Jane the Virgin, Glee, Desperate Housewives, House of Cards, Porta dos Fundos, Lost, Suits; Harry e Sally Feitos um para o Outro (When Harry Met Sally), Feitiço do Tempo (Groundhog Day), Piratas do Caribe 2 — A Maldicão do Pérola Negra, James Bond — O Amanhã Nunca Morre, Beerfest, The Slammin’ Salmon, O Âncora, 17 Outra Vez, She is Funny That Way, Peter Pan (Pan — 2015), Frozen e Ratatouille. 

Você pode conferir algumas destas cenas neste VÍDEO.

Sim, até mesmo em conteúdo infantil vemos este comportamento representado. Então é compreensível que ele esteja sendo imitado por meninas na vida real.

Às vezes a gente só precisa parar para pensar, e a mudança vem naturalmente. Eu quero dizer para as meninas que tapa na cara não é argumento, é desrespeito e por mais que a gente veja no Cinema e na TV, não devemos reproduzir este comportamento na vida real.

A vida transforma a arte e a arte transforma a vida. Vamos fazer do mundo um lugar mais gentil para todos. Chega de tapa!

#nomoreslapping

ASSISTA AO VÍDEO:

O tapa na cara de mulher em homem foi banalizado pela Cultura Pop. Neste vídeo há uma compilação de tais cenas em nossos Filmes e Séries favoritas.