MÃOS

Nunca imaginei que um simples gesto pudesse ter tanto significado. Nunca imaginei que um simples ato como de segurar a mão de alguém – uma coisa tão simples e tão corriqueira – pudesse ser tão profundo e emocionante. Pode parecer piegas – e talvez realmente seja – mas me emociono toda vez que seguro a mão do meu filho, me emociono quando vejo aqueles dedinhos tão pequenos agarrados aos meus, me emociono quando percebo o que esse ato de dar as mãos significa hoje na minha vida.

Esse gesto pode ter tantos significados, pode ser para proteger nossos filhos enquanto atravessamos a rua, pode ser um simples suporte para subir em uma cadeira, pode ser para conduzir no caminho para escola, mas muito mais do que tudo isso, é um gesto de carinho, de amor, que nós mães diariamente damos aos nossos filhos.

Não costumo segurar a mão do meu filho somente em situações necessárias e inevitáveis, eu amo segurar a mão dele só por segurar, sem motivo nenhum, e muitas das vezes que estamos de mãos dadas, eu fico admirando aquela mãozinha tão linda grudada na minha e que daqui a alguns anos vai ser maior e provavelmente não passará tanto tempo em contato com a minha mão envelhecida, vejo naquelas mãozinhas tão frágeis tão pequenas todo amor do mundo.

E na verdade não importa que as mãos dele cresçam e que as minhas mãos envelheçam e que talvez elas não passem mais tanto tempo unidas, porque, a verdade é que ele tem nas suas pequenas e delicadas mãos o meu coração, e ainda que elas um dia se soltem, o meu amor permanecera eternamente nas mãos do meu pequeno!

Peço a vocês mães que costumam ler meus pensamentos aqui nesse blog, por favor segurem mais as mãos dos seus filhotes, mesmo que não tenham motivo nenhum – principalmente quando não houver motivo – aproveitem cada segundo que os dedinhos deles estiverem em contato com os seus, vai por mim, é como se todo amor do mundo coubesse dentro de duas mãos e não tem melhor sensação do que a de entender em um simples gesto o real sentido da vida. Peço perdão pelo sentimentalismo, mas não havia outra maneira de falar sobre esse assunto.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.