Gosto não se discute

Gosto de acordar sem ter hora, só para voltar a dormir.
Gosto de roubar o arroz empapado da panela, ainda enquanto cozinha.
Gosto de tomar banho de olho fechado, para sentir a água batendo no corpo.
Gosto de ouvir criança gargalhando, até quando não sei o motivo.
Gosto de comer pastinha com torrada, mesmo sem ter festa.
Gosto de passear sem rumo, só pela sensação de não chegar.
Gosto de ouvir uma língua estranha, para poder imaginar os diálogos.
Gosto de pessoas que não conheço, para descobrir quem são.
Gosto de experimentar uma comida nova, mesmo quando arde a boca.
Gosto de me cansar, para poder relaxar.
Gosto de dar presente, mais do que de receber.
Gosto de reencontrar pessoas, sem saber o que elas faziam antes.
Gosto de luz fraquinha, pois não consigo ver tudo em volta.
Gosto de cor escura, para usar com cores claras.
Gosto de cheiro de cimento fresco, quase tanto quanto o de chuva.
Gosto de receber ligação, mesmo quando não posso atender.
Gosto de fotos de pessoas que não conheço, só para imaginar suas vidas.
Gosto de conhecer lugares novos, inclusive os que não poderei ir.
Gosto de encontrar algo perdido, quando não lembrava mais.
Gosto de ouvir barulho, até quando está silêncio.

Gosto de tanta coisa, que gosto mesmo é de gostar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.